quinta-feira, abril 30, 2009

Casa de las Américas, sitio para la literatura continental


Casa de las Américas, sitio para la literatura continental
29 abril / AIN
por Yahumila Hidalgo
La Casa de las Américas, desde su fundación en 1959 y hasta hoy, desarrolla una valiosa labor en la promoción de autores cuyas obras se inscriben entre lo más auténtico de la literatura latinoamericana y caribeña.
Fundada a sólo cuatro meses del triunfo de la Revolución, es creada por el gobierno con el fin de fomentar y ampliar las relaciones socioculturales con los pueblos de la región y el resto del mundo, a partir de la promoción de las diferentes manifestaciones artísticas del continente.
La institución mantiene la más completa biblioteca del tema latinoamericano y caribeño (126 mil volúmenes y 136 mil fascículos de publicaciones periódicas), además posee uno de los fondos editoriales más importantes de la literatura mundial y edita varias publicaciones periódicas.
Cuenta, desde su primera edición en 1959, con el Premio literario Casa de las Américas, en las categorías poesía (José Lezama Lima), narrativa (José María Arguedas) y ensayo (Ezequiel Martínez Estrada) y realiza, además, una destacada labor en el plano investigativo mediante la realización de coloquios, cursos y talleres.
Muchos de los escritores que alcanzan hoy renombre mundial y que fueron integrantes del llamado boom de las letras latinoamericanas estuvieron relacionados con la institución, como miembros del jurado del premio, galardonados o como colaboradores desde las páginas de la revista Casa de las Américas.
El investigador y ensayista Ambrosio Fornet ha expuesto que el conocimiento de la novela hispanoamericana en Europa y luego en el resto del mundo, estuvo muy relacionado con el triunfo de la Revolución cubana y con el papel jugado por Casa en su labor difusora.
Un coloquio realizado en la Feria del libro de la Habana 2009 recordó en voz de varios escritores latinoamericanos los 50 años de la vital y fructífera labor de la institución cultural cubana.
El escritor venezolano Armando José Sequera, participante del encuentro expresó que con sus premios la institución ha dado a conocer a escritores y artistas que de otra manera habrían estado silenciados por la sociedad consumista y capitalista.
Sirvan sus palabras para concluir este artículo, "Casa de las Américas es la residencia de la literatura latinoamericana".

FONTE: Cuba.cu - Cuba
FOTO: José Lezama Lima
http://www.cubaheadlines.com/
*******************

Espaço Helena Calil em São José recebe exposição com técnica utilizada na antiguidade


14h29min - 30/04/2009
Espaço Helena Calil em São José recebe exposição com técnica utilizada na antiguidade
Serão expostas cerca de 30 obras, todas em encáustica.
A Fundação Cultural Cassiano Ricardo realiza, no período de 04 a 30 de maio, no Espaço das Artes Helena Calil, a exposição “Redescrição e Memória”, do artista plástico Alex Carrari. Serão expostas cerca de 30 obras do artista, todas em encáustica – técnica de pintura que é conhecida desde a antiguidade.

A temática dos trabalhos de Carrari versa sobre lugares, situações e pessoas do cotidiano. O artista plástico procura retratar o que está esteticamente fora dos padrões aceitos convencionalmente, buscando a realidade e a naturalidade para captar a essência do elemento retratado.

Nas obras da exposição, Carrari trabalha a redescrição da pessoa a partir da imagem que ficou retida na memória depois de sua observação, buscando uma nova interpretação do indivíduo.

A mostra fica aberta de segunda a sexta, das 9h às 18h e aos sábados das 9h às 13h e a entrada é gratuita.

Alex Carrari

Nascido na cidade de Marialva-PR, em 1974 - o artista mora há 30 anos em São José dos Campos, onde se formou em Teologia pelo Centro de Estudos Teológicos do Vale do Paraíba (Cetevap).

Artista plástico há sete anos, Carrari aprendeu a técnica de pintura em encáustica com o professor George Gütlich, em 2005. O artista trabalha também com pintura a óleo e xilogravura.

A técnica A encáustica é um procedimento de pintura conhecido desde a Antiguidade, que consiste em aglutinar pigmentos naturais ou artificiais a uma mistura de ceras quentes. Depois de pronta, a mistura é aplicada – seguindo fórmulas, controle de temperatura e procedimentos técnicos – sobre um suporte de madeira ou tela.

A técnica foi muito utilizada pelos retratistas, no Egito Romano, para pintar retratos realistas das pessoas – quadros que seriam usados, posteriormente, em suas urnas funerárias. Estes quadros são conhecidos como Retrato de Fayum, em referência à região do Egito, onde foram encontradas as primeiras peças que utilizavam a técnica.

FONTE: VNews - São José dos Campos,SP,Brazil

Things to do and see in Wuhan


Things to do and see in Wuhan(China Daily)
Updated: 2009-04-30 09:26
Wuhan has four distinct seasons - a mild spring and fall, a hot summer and a frozen winter. Given this, the best time to visit Wuhan, naturally, is either in the spring or in the fall.

Wuhan has many historical places of interest. Huanghe Lou, or Yellow Crane Tower, located near the southern end of the Yangtze River Bridge, is one of China's most famous ancient towers built in the 3rd century.
It inspired many poets and artists. The famous poet Li Bai of the Tang Dynasty (AD 618-907) wrote one of his best poems during his visit to the tower.
The original tower was destroyed in 1884 and the current replica came up in 1986.
If you visit Wuhan in late March, the cherry blossom trees on the campus of Wuhan University are well worth a visit.
The Hubei Provincial Museum located by the East Lake will not disappoint those interested in Chinese history. The 40,000-sq-m museum has thousands of ancient artifacts, including bronzes, pottery, weapons and instruments dating to the Spring and Autumn Period (770-476 BC).
Hankou is Wuhan's commercial center and home to the most shopping malls and the markets of Hanzheng Street.
Traditionally, a center of education, Wuhan has the second most universities and colleges after Beijing in China. Most of them are in Wuchang.
There are also Buddhism temples, Christian churches and mosques scattered across Wuhan. Guiyuan Temple in Hanyang is a big attraction for both Buddhists and tourists.
FONTE (foto incluída): China Daily - China

The Watkinson Exhibits American Poets and Their Printers


The Watkinson Exhibits American Poets and Their Printers
Abigail Alderman '11
Issue date: 4/28/09

Section: Arts

Unfortunately, the Watkinson Library is an area in the Raether Library that does not get as much rush as the usual library rooms do. Modern American Poets and Their Printers, an exhibition worth the students while, has been gracing the Watkinson since February and will last until the middle of June. The exhibition features "special editions of American poets with innovative printing of the poems" said exhibit curator Sally S. Dickinson. The exhibit flows chronologically from Publishing in Paris in the 1920s all the way to the late greeting cards of Robert Frost in the 1960s.
The exhibit explores literary publishers who created unique versions of otherwise mainstream poetry. Poetry, which is usually presented in straightforward, all-script ways, becomes more aesthetically pleasing when publishers take the initiative to make the poetry interactive. The start of the exhibit highlighted works from the Three Mountains Press. A copy of their Printer's Notice indicated that they printed these pieces with no indication to sell the works but to indulge amateur's fondness for typographical experiment.
In this section was Three Stories and Ten Poems by Ernest Hemingway. This version was signed and presented to William Bird by Hemingway himself. Bird, a 1912 Trinity graduate worked for both the New York Sun and the New York Post. This case also includes a first edition of William Carlos Williams' book of poetry, Spring and All, as well as Ezra Pounds' "Indiscretions", or "Une Revue de Deux Mondes". All of these works were published in Paris by the Three Mountains Press.
Another section of the exhibit highlighted Beat Poets. The Pocket Bookshop was created in 1953 by Lawrence Ferlinghetti and Peter Martin. These publishers put out famous pocket poet series. When they published Allen Ginsberg poem "Howl", they were arrested for obscenity. They took risks to supply the public with interesting versions of classic poetry. The published versions of Lawrence Ferlinghetti's "Pictures of the Gone World", Denise Levertrov's "Here and Now", and Frank O'Hara's "Lunch Poem".
The most eye-catching portion of the exhibit was the case featuring The Spiral Press and the Robert Frost Holiday Greetings. Frost handcrafted many greeting cards to friends and family that featured his poems and small pictures. The exhibit contains copies of cards written to Charles Green and H.B. Collamore. Frost's barely legible handing is strewn across his cards and the envelopes addressed to friends all over the country.
The exhibit also highlights poetry in the form of larger banners across the walls of the Watkinson. These poems, chosen for their unique printing style, add color and size to the exhibit. William Stafford's "Lines for a Girl Named Rosy", John Crowe "Ransom's Cloak Model" and Louis Aston Marantz Simson's "Mexican Woman". These wall hangings brought all of the small works of poetry in the wide variety of poetry books to life. This exhibit proves how undervalued the Watkinson Library is. All of these pieces are highly interesting, and even contain special ties to Trinity. Hopefully in the future, more students will take advantage of the hidden treasures in the Watkinson.

FONTE: Trinity Tripod (subscription) - Hartford,CT,USA
FOTO: Allen Ginsberg

Em 'A Janela', Carlos Sorín investe na precisão da história mínima


CINEMA - [ 30/04 ]
Em 'A Janela', Carlos Sorín investe na precisão da história mínima
Cruzeiro On Line

Foi o primeiro filme sério, de arte, que Carlos Sorín viu. Ele era um garoto cinemaníaco, mas via preferencialmente westerns, filmes de ação, de guerra. Um dia assistiu a "Morangos Silvestres" e a obra-prima de Ingmar Bergman lhe produziu uma perturbação muito grande. O filme permaneceu com ele. Depois, não foi sendo esquecido, mas meio colocado de lado. Há algum tempo, Sorín estava indeciso entre vários projetos. Havia tentado adquirir, sem êxito, os direitos de uma história de Raymond Carver - e ele cita o título em espanhol, "Tres Rosas Amarillas", sobre os últimos dias de Chekhov. Um roteiro, entre os vários em que trabalhava, começou a tomar forma. Um velho doente, nos umbrais da morte, decifra o enigma da própria vida.

"Era Bergman!", exclama Sorín, que terminou por optar por este filme e fez A Janela, que estreia 5ª feira em São Paulo. É maravilhoso, mas não espere uma adaptação de Bergman, talvez uma variação, como se fosse uma música. "A psicologia, o tempo, a densidade emocional, foi isso que Bergman me ensinou", disse ao repórter o diretor argentino, numa entrevista realizada segunda-feira (27), no final da tarde, num hotel da região da Av Paulista. Carlos Sorín havia chegado pouco antes. À noite, prestigiou a pré-estreia de seu filme na Reserva Cultural e, no dia seguinte, já estava no Rio, para outra pré-estreia. Logo em seguida, regressou à Argentina, mas não por muito tempo. A estreia de "A Janela" o tem levado a correr mundo. Esteve recentemente na Europa, Espanha e França. Os EUA integram a rota

Na Argentina, as histórias mínimas que Sorín gosta de contar fazem dele um autor para pequenas plateias (e estimado pelos críticos). Na França, "O Cachorro" fez mais de 250 mil espectadores e "A Janela" vai ser lançado com 60 cópias. "É muito, para o tamanho do filme, mas o distribuidor está otimista", observa o diretor. O filme ‘bergmaniano’ de Sorín reflete outras influências, ou referências que fazem parte do seu imaginário. Jorge Luís Borges, Adolfo Bioy Casares e "A Invenção de Morel".

"A Janela" tem tanto de "Morangos Silvestres" quanto de "A Invenção de Morel", mas você não precisa ter visto um nem lido o outro para se sensibilizar com a história do velho que está morrendo, nesta casa isolada em que um afinador de pianos prepara o instrumento para a chegada do filho do protagonista, um pianista famoso que ele não vê há tempos. Notas musicais esparsas quebram o silêncio. Um filme sobre o interdito, sobre o não dito. Tudo ou nada - hoje. Se você quiser ação, há uma matinê legal, "Wolverine". Mas não se esqueça de Sorín. Você só tem a ganhar com a sua (dele) arte minimalista.
HISTÓRIAS ENXUTAS
Carlos Sorín gosta das histórias enxutas e não foi por acaso que deu a um de seus longas o título de "Histórias Mínimas". "Tenho dificuldade para imaginar histórias longas. Meu ideal é o filme que se passa num dia." A Janela atinge essa concentração. Trata do último dia da vida de Don Antonio, um escritor de 80 anos, que aguarda a visita do filho na fazenda da família. O filho é pianista e está vindo da Europa. A relação com o filho é fria, mas não hostil. Ecos de "Morangos Silvestres", de Ingmar Bergman, de 1957, atravessam o relato.

Mas a fonte declarada foi Raymond Carver, "As Três Rosas Amarelas", cujos direitos Sorín tentou em vão comprar. A história, de qualquer maneira, ficou com ele tanto quanto a de "Morangos Silvestres". O velho personagem de Bergman é um professor homenageado por sua atividade docente. O de Carver é um escritor e ninguém menos do que Chekhov, em seus últimos dias "Chekhov é um de meus escritores preferidos. Amo a depuração de sua escrita, o sentido humano e social de seus relatos tão precisos." O próprio Sorín ama essas histórias que são mínimas e, ao mesmo tempo, são de uma precisão realista que fazem do seu cinema uma janela aberta para o mundo.
O título, obviamente, não é produto do acaso - "La Ventana". Nem o fato de que o protagonista, no começo, tem um sonho que remete ao próprio cinema. "Freud dizia que os sonhos não existem, mas eu precisava filmar um sonho de Don Antonio. Fiz dele um filme dentro do filme." O sonho carrega um enigma - Don Antonio revê uma imagem do seu passado remoto. Quando ele era menino, os pais o deixaram aos cuidados de uma babá. Há uma precisa descrição do sonho. A mãe com seu vestido de festa chega para dar boa-noite ao filho. Ao fundo ouvem-se ruídos de um baile, em outra parte da casa. E o detalhe é o rosto da babá. Durante 80 anos Antonio esqueceu-se dela, e agora esse rosto reaparece no que será seu último dia.
Bergman, Carver, Chekhov. E Jorge Luís Borges e Adolfo Bioy Casares. "Borges é infilmável", reflete Sorín, mas ele concorda com o repórter quando lhe diz que o mais ‘borgesiano’ dos filmes não é uma adaptação do escritor - Mister Klein, de Joseph Losey. "Es un maestro", diz Sorín sobre o grande Losey. Seus mestres, aliás, não foram argentinos (salvo escritores).
Seus diretores favoritos, os que o marcaram, foram Jean-Luc Godard, François Truffaut, Bergman e Losey. Casares, como escritor, foi outra referência. A Invenção de Morel, cujo primeiro título no Brasil foi A Máquina Fantástica, confronta o protagonista com a morte, por meio dessa máquina capaz de fixar instantes da vida de cada um de seus amigos. A janela que Sorín abre para o mundo é o próprio cinema, que lhe permite revelar os fragmentos da vida de Antonio. No final, com o mínimo de informações, sabemos tudo sobre ele.
Para um filme tão escrito, tão exato, "A Janela" terminou virando o resultado de uma feliz série de coincidências "Não se faz cinema sem sorte", diz o diretor. Ele ia filmar no norte argentino, mas houve uma epidemia de varíola e o ator uruguaio Antonio Larreta, de mais de 80 anos, não podia ser vacinado. Sorín teve de procurar rapidamente outra locação. Encontrou esse lugar não muito distante de Buenos Aires, a casa senhorial e o campo que começa a ondular suavemente. "A casa é tão perfeita quanto Larreta. Ambos são aristocráticos e decadentes", define Sorín. Larreta também foi descoberto por acaso. O produtor espanhol de Sorín participava de um evento no Uruguai. Foi apresentado a Larreta como sendo um grande ator uruguaio de teatro.
"O produtor me ligou imediatamente. Disse que tinha encontrado Don Antonio para mim." Larreta é grande no palco, mas quase não havia feito cinema. O que fizera não era bom. Muita ênfase nos gestos. "Meu trabalho foi estimulá-lo a baixar cada vez mais o tom. Menos, menos. Ele tinha 80 anos, era escritor, um aristocrata. Larreta era o personagem." O próprio processo de criação de "A Janela" é definido por Sorín como uma ‘desconstrução’. "Filmei um roteiro de apenas 32 páginas. Meu trabalho neste filme foi cortar. Diálogos, situações. Cortei para filmar e depois cortei ainda mais na montagem."
O filho de Carlos Sorín, Nicolás, é compositor e ofereceu ao pai uma caudalosa proposta de música. Sorín cortou a música, também. Reduziu-a a fragmentos. Eles são tão belos, e precisos, que a música, como a atuação de Antonio Larreta, permanece com o público. Grande filme.
SERVIÇO:
"A Janela" ("La Ventana", Argentina-Espanha/2008, 85 min.) - Drama. Direção: Carlos Sorín. Cotação: Ótimo.

(AE)

FONTE: Jornal Cruzeiro do Sul - Sorocaba,São Paulo,Brazil

FOTO in http://cinemarama.files.wordpress.com/
****************************

Denílson Lourenço desafia a balança para 'fugir' de João Derly


30/04/2009 - 07h07
Denílson Lourenço desafia a balança para 'fugir' de João Derly
Bruno Império

Em São Paulo
Aos 31 anos, o judoca Denílson Lourenço estuda possibilidades para esticar sua carreira sobre os tatames. E, com dificuldades de conseguir se manter com menos de 60kg, chegou a pensar em subir de faixa de peso, passando de ligeiro à meio-leve. Mas desistiu. Caso mudasse de categoria, teria de brigar com o bicampeão mundial João Derly pela titularidade na seleção brasileira. Considerou a balança um adversário menos complicado.

"Eu teria que começar tudo de novo em uma nova categoria e teria que brigar com o Derly, que está entre os melhores judocas do mundo. Então achei melhor desistir desse projeto e continuar lutando contra a balança", afirmou o atleta.

Lourenço luta entre os ligeiros desde 1994 e admite: "Sempre tive dificuldades para manter o peso. Quando não estou competindo, acabo ganhando alguns quilos. Mas, quando eu era mais jovem, ainda era mais fácil baixar. Com a idade, naturalmente, vai ficando cada vez mais difícil".

Representante brasileiro nos Jogos Olímpicos de Pequim - o mais velho da seleção -. o judoca chegou a ficar marcado pelo excesso de peso no Mundial do Rio de Janeiro, em 2007. Na ocasião, o então titular da equipe brasileira, Alexandre Lee, sofreu uma lesão às vésperas da competição e Lourenço foi chamado às pressas para a vaga. No entanto, se apresentou tão acima do limite de 60 kg que acabou cortado.

Antes de estar entre os ligeiros, Lourenço atuou na categoria até 48kg e foi prata no Pan de Winnipeg, em 1999. Foi sua principal conquista. Nos Jogos Olímpicos de 2000, em Sydney, foi eliminado logo na primeira luta de forma inusitada. O judoca perdeu as lentes de contato enquanto enfrentava bielo-russo Natik Bagirov. Sem conseguir enxergar o placar, imaginou que estava em vantagem e acabou perdendo por um koka.

Em Pequim, em sua segunda participação olímpica, fez duas lutas. Ele até começou bem no torneio, derrotando o ucraniano Maksym Korotun por ippon. Entretanto, ele foi eliminado logo na seqüência pelo tcheco Pavel Petrikov, que não avançou na chave e o tirou da disputa.

FONTE: UOL Esporte - São Paulo,SP,Brazil
FOTO: http://www.clicrbs.com.br/
******************

quarta-feira, abril 29, 2009

Adelaida Caballero, Premio Gloria Fuertes


con 'Mecánica del fuego'
Adelaida Caballero, Premio Gloria Fuertes
MADRID, 29 Abr. (EUROPA PRESS) - Adelaida Caballero ha obtenido el X Premio "Gloria Fuertes" de Poesía Joven con su libro 'Mecánica del fuego'.

Adelaida Caballero ha obtenido el X Premio "Gloria Fuertes" de Poesía Joven con su libro 'Mecánica del fuego'.
Este galardón está convocado por la Fundación que lleva el nombre de la popular poetisa y escritora. La autora premiada, nacida en México en 1986 y que actualmente reside en Suecia, consiguió en 2007 el primer premio en el XVII Certamen de Literatura Joven Universitaria, convocado por la Universidad Autónoma de Nuevo León, México. Tiene publicadas 'Cuervos a media noche' (México, 2000) y 'Cuando los demonios cantan', prologado por José Kozer (Cuba-Estados Unidos, 2007).
El jurado, que acordó premiar a Caballero por unanimidad, estuvo formado por Ana Rossetti, Blanca Andreu, Javier Lostalé y Luzmaría Jiménez Faro. El libro premiado será publicado por Ediciones Torremozas en su colección "Gloria Fuertes", creada en memoria de la insigne escritora.

FONTE: Europa Press - Spain
http://www.europapress.es/
********************

Poésie : -Saisons du cœur- de Saloua Rachdi Amour et révolte


Poésie : -Saisons du cœur- de Saloua Rachdi Amour et révolte
Le Temps Publié le 29.04.2009

" Saisons du coeur ", c'est le nouveau-né de l'écrivaine et poétesse tunisienne Saloua Rachdi. Encore une œuvre féminine qui vient galonner la création littéraire en Tunisie. C'est un recueil de poèmes pleins de bouillonnement et d'effervescence émanant des trépidations de la vie qui éclatent en effusions poétiques. C'est l'épanchement du cœur et aussi la révolte de tous les sens qui se brisent avec impétuosité sur les pages vierges devenues aussitôt noircies de plaintes, de cris et de souffrance. L'amour dans tous ses états : la passion jusqu'à la folie, les plaisirs inouïs, mais aussi les tourments intérieurs, les illusions, les rêves évanouis, les espoirs...Bref, tout ce qui touche à l'essence humaine, à l'être humain. Nous sommes bel et bien dans le lyrisme : le " je " signifie aussi " nous ", " vous " et tous les autres. L'expérience personnelle de la poétesse se retrouve également chez tous les hommes ; en ce sens qu'elle dit tout haut ce que les autres pensent ou disent tout bas. Et, c'est la preuve qu'il y a toujours des poètes et des écrivains qui ne sont pas " déconnectés " de la réalité. Même si cette réalité leur déplaît, ils sont toujours là pour la décrier et pour y compatir.

Ce nouveau recueil de Saloua Rachdi va dans ce sens puisqu'il réunit à la fois des poèmes d'amour comme thème principal, mais aussi de révolte ; c'est un recueil où sentiments et idées se côtoient, où humour et ironie se confondent et où les thèmes se croisent pour enfin donner une œuvre poétique puissamment construite où forme et contenu sont d'une élégance harmonieuse. Ce recueil propose 23 poèmes, longs et moins longs, répartis sur quatre parties. Des poèmes sur l'amour, la guerre, la femme, l'enfance, le patrimoine, la liberté, la nostalgie du passé, les soucis du présent et le devenir des hommes. C'est la peinture des rapports des hommes où l'on peut lire implicitement ou explicitement une critique sans complaisance, souvent empreinte d'humour, des phénomènes modernes. Ces quatre parties sont intitulées respectivement : " Awalouhou Hazlon wa Akhirouhou Jiddon ", une expression empruntée au fameux poète andalou Ibn Hazm, " Fawka koulli hawa " (Au dessus de toute passion), " Alâab Al Araq " (Jeux d'insomnie) et " Awalouhou Jiddon wa Akhirouhou Jiddon ", reprise antithétique du titre de la première partie. Ce classement, selon la poétesse, ne répond ni à un ordre logique ni chronologique ; cependant, il s'ouvre et se referme sur le même thème qu'est l'amour. Mais ce choix n'a aucun effet sur la valeur des textes ni sur des thèmes abordés ; l'œuvre poétique étant reconnue avant tout par ses sonorités, ses allitérations, ses assonances et ses évocations imagées. Les poèmes de ce recueil, écrits avec beaucoup de soin, témoignent de la fine sensibilité et du grand talent de la poétesse et surtout du grand intérêt qu'elle porte sur la réalité, ce qui donne à sa poésie un caractère d'actualité. Voici quelques vers que nous avons traduits pour nos lecteurs, rien qu'un avant-goût pour la lecture de tout le recueil.

" Tu t'es abreuvé des sources sans te désaltérer
Tu as dévoré des biens sans te rassasier
Tu as sillonné des plaines et franchi des abîmes
Tu as sapé des montagnes sans être satisfait (extrait p.42)
Révolu est le temps des valeurs
Il n'y a plus de place aux idéaux
Seul le pétrodollar partout s'édifia
Et sur les mers et les nations il régna
(extrait p.45)


Hechmi KHALLADI

FONTE: Jetset Magazine - Tunis,Tunisia

***********

SERTÃ - Exposição “100 Livros Portugueses do Século XX”


SERTÃ - Exposição “100 Livros Portugueses do Século XX”

28-Abr-2009

A Biblioteca Municipal da Sertã acolhe até ao dia 9 de Maio, a exposição denominada “100 Livros Portugueses do Século XX”.
Baseada no livro com o mesmo nome, editado pelo Instituto Camões em 2002, a exposição disponibiliza a maioria das obras seleccionadas por Fernando Pinto do Amaral, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

O livro que deu origem à exposição teve como objectivo principal promover a cultura portuguesa no estrangeiro, divulgando os 100 títulos que marcaram a nossa literatura no séc. XX. As obras seleccionadas são apresentadas de acordo com a sequência cronológica da sua edição, começando em 1901 com “A cidade e as Serras”, de Eça de Queirós e finalizando em 2000 com “Não entres tão depressa nessa noite escura” de António Lobo Antunes.

Esta exposição surge no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Livro que se assinalou a 23 de Abril passado e poderá ser apreciada naquele espaço às segundas-feiras e sábados das 10h às 13 horas e das 14h às 18 horas e ainda de terça a sexta-feira das 10h às 18h30.

FONTE: Rádio Condestável - Cernache do Bonjardim - Sertã,Portugal


IMAGEM in http://www.clp.su.se/
***********************

terça-feira, abril 28, 2009

Mario Benedetti, hospitalizado en Montevideo


Generación del 45
Mario Benedetti, hospitalizado en Montevideo
El escritor uruguayo, de 88 años, estuvo ingresado tres veces el año pasado

Mario Benedetti se encuentra ingresado en un hospital de la capital uruguaya por problemas de salud que no trascendieron, según han confirmado fuentes cercanas al poeta y novelista uruguayo. Allegados del celebre poeta han indicado que Benedetti no se encontraba bien de salud y fue hospitalizado. Fuentes del hospital Impasa han señalado que a lo largo del día de hoy, los médicos que atienden al escritor darán más explicaciones sobre su estado de salud.
Benedetti, de 88 años, estuvo ingresado tres veces el año pasado en un sanatorio de Montevideo, la primera de ellas, entre enero y febrero tras sufrir una enterocolitis que le causó deshidratación; otra vez en marzo, con problemas respiratorios, y por último en mayo, a causa de una descompensación. Ese mismo año publicó su último poemario, "Testigo de uno mismo".
Autor de unos 80 libros de poemas, novelas, relatos y ensayos, así como guiones de cine, Benedetti ha obtenido varios reconocimientos internacionales, como el Premio Reina Sofía de Poesía Iberoamericana (1999), el Premio Iberoamericano José Martí (2001) y el Premio Internacional Menéndez Pelayo (2005). El escritor pertenece al grupo de escritores denominado Generación del 45, al que también pertenecen autores como Juan Carlos Onetti o Idea Vilariño, que precisamente fue operada ayer de un problema intestinal y permanece en cuidados intensivos en una clínica de Montevideo.

FONTE: El Comercio Digital (Asturias) - Asturias,Spain

Murió la poetisa uruguaya Idea Vilariño


Murió la poetisa uruguaya Idea Vilariño

15:55 - 28/04/2009


La muerte de Idea Vilariño este martes a los 89 años implica la pérdida de una de las principales poetisas uruguayas, que integró la emblemática 'Generación del 45', aunque quedan al descubierto las raíces de su poesía.
"La poesía de Idea era como un árbol crecido al revés, con las raíces al aire. Ese árbol seguirá estando", dijo a AFP el escritor uruguayo Eduardo Galeano, al comentar la muerte de la poetisa.
"Idea Vilariño es una de las voces poéticas más importantes no sólo de Uruguay, sino de América Latina", había dicho el escritor Mario Benedetti -actualmente internado- en mayo de 2005, cuando fue declarada 'Ciudadana Ilustre' de Montevideo por el entonces intendente Adolfo Pérez Piera.
"Es una poeta que tiene algo de misterio y de soledad, pero también muy expresiva en su cuota de amor (...). Yo la quiero mucho, hemos sido compañeros muchos años en varias empresas", agregó el escritor uruguayo, de 88 años.
Idea Vilariño -que nunca se casó y no tuvo hijos- falleció en la madrugada del martes a los 89 años en un sanatorio privado tras haber sido intervenida por una oclusión intestinal, informaron fuentes del centro asistencial Casmu a AFP.
Vilariño había sido internada dos días atrás y no pudo superar una cirugía por una oclusión intestinal y arterial, indicaron las fuentes, que señalaron que falleció a las 03H00 locales (06H00 GMT).
Nacida en Montevideo el 18 de agosto de 1920 en el núcleo de una familia de poetas, Idea Vilariño fue poetisa, ensayista y crítica literaria.
Integró la denominada 'Generación del 45' junto a autores como Juan Carlos Onetti, Mario Benedetti, Sarandy Cabrera, Carlos Martínez Moreno, Angel Rama, Carlos Real de Azúa y Mario Arregui, entre varios otros.
La 'Generación del 45', que surgió en el marco de un incipiente proceso de deterioro económico, social y político de Uruguay, con perspectivas intelectuales diversas, fue uno de los movimientos más creativos de la literatura uruguaya, impregnado de un culto al rigor, cierta autosuficiencia y el cuestionamiento a enfoques normalmente aceptados.
Durante muchos años, Idea Vilariño rechazó cualquier tipo de promoción de su nombre y obra, aunque ello no impidió que ganara varios premios internacionales y que su obra fuera traducida a varios idiomas.
Autora, entre muchas otras, de obras como 'La Suplicante' (1945), 'Cielo cielo' (1947), 'Paraíso Perdido' (1949), 'Nocturnos' (1955) y 'Poemas de amor' (1957), Vilariño era además traductora, compositora -había estudiado piano y violín- y docente.
Sus traducciones se ganaron un importante reconocimiento, como su versión de la 'Tierra Purpúrea' de William Henry Hudson, o sus traducciones de Shakespeare, que han sido representadas en teatros de Montevideo.
Como compositora se pueden mencionar dos canciones de la música popular uruguaya: 'A una paloma' (musicalizada por Daniel Viglietti) y la 'Canción y el poema' (musicalizada por Alfredo Zitarrosa).
Fue profesora de Literatura de Enseñanza Secundaria desde 1952 hasta el golpe de estado en 1973, y tras la reinstauración del sistema democrático en 1985 obtuvo la Cátedra de Literatura Uruguaya en la Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación de la Universidad de la República.
Fue una de las fundadoras de las revistas Clinamen y Número, en tanto colaboró con las publicaciones Marcha, La Opinión, Brecha, y Texto crítico.

FONTE: ecodiario - Spain
IMAGEM: Idea Vilariño

Brasil: A última Flor do Lácio: gramática e civilidade


Brasil: A última Flor do Lácio: gramática e civilidade
A mais recente reforma ortográfica do português no Brasil subordina a língua às contingências do mercado. Atende à pura funcionalidade da circulação das mercadorias.

Olgaria Matos Carta Maior Hoy 20:08


Na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Kant separava a vida do espírito e o mercado, observando que todas as coisas que podem ser comparadas, podem ser trocadas e têm um preço. Mas aquelas que não podem ser comparadas, não podem ser trocadas, por isso não têm preço, mas dignidade. Para garanti-la, o ideário iluminista e democrático da constituição do espaço público—comum a todos e acessível a todos—estabelecia uma esfera de autonomia com respeito às determinações econômicas e às razões do mercado. Porque privilégios e carências pertencem ao âmbito do que não pode se universalizar como modo de vida sem comprometer os laços sociais, porque de privilégios resultam, no plano ético e político, patrimonialismo e injustiça, porque a carência produz privações e ressentimentos, a invenção democrática é a criação contínua de novos agentes sociais e do imaginário do direito a ter direitos. Para isso, era função do Estado a separação dos interesses particulares e do interesse público.
Divergem a temporalidade do Estado e a do mercado, pois se, por sua natureza, as instituições privadas estão sujeitas às contingências da concorrência e ao cálculo dos custos e dos benefícios, ao Estado cabe velar, no longo prazo e na alternância das gerações, pela sobrevivência de todos os seus cidadãos, propiciando o acesso universal aos direitos sociais, civis e políticos,como o atendimento à saúde, à educação, à cultura. Razão pela qual ceder ao mercado o que é prerrogativa do Estado revela o encolhimento da esfera pública, determinando a privatização da vida e sua queda em valor de troca. No que diz respeito à aposentadoria, por exemplo, a vida, como valor de mercado, se submete às oscilações da cotação do dia. A civilização do consumo, a ideologização do conforto material e a determinação de todas as esferas da vida pelo fator econômico determinaram as transformações do papel filosófico e existencial da educação e da cultura, não mais valorizadas como quintessência do laço afetivo e das relações sociais.
Da Grécia clássica à modernidade democrática, a escola foi o consentimento da cidade na organização de um novo dispositivo de associação social, espaço de individuação, e apogeu da cidadania política, visando a adoção de uma identidade comum, no compartilhamento de valores através da escrita. Porque falar uma língua é algo diverso de dominá-la, e por ser um meio de comunicação público, foi necessário prover a língua de regras conhecidas por todos e praticadas por todos. Assim, a difusão da gramática fez migrar o segredo da informação do recinto fechado dos palácios e do saber hermético do escriba oriental para o espaço público da Àgora. Os mestres - os grammatistès - davam acesso às letras, retirando-as de sua condição de grammar,de “conhecimento oculto”, pois “ para quem sabe ler e escrever, coisas impossíveis serão igualmente fáceis”.
À distância da naturalidade da língua falada, a escola ensina que ela é o “processo de adoção” de uma matriz identificatória que substitui a maneira tradicional da parentalidade e da comunicação em um âmbito privado, pela philia que se expressa não apenas em relações de oralidade entre os cidadãos mas por escrito. Razão pela qual a philia abrange a comunicação à distância, no espaço e no tempo, a gramática favorecendo a compreensão da língua quando ela não se apóia na presença dos falantes. Desde a pólis grega, a philia significa o amor da cidade por si mesma, através de um programa político fundado na lei legível e criticável por todos: “desde sua origem grega”, anota Stiegler, “a escola foi um lugar de adoção [porque não se trata de saberes a que se acede sem necessidade de instrução] que forma uma philia pela constituição de um ideal do Ego, mas que é também, como demos, o povo enquanto ideal da população que não é mais o grupo étnico. Esta escola é o próprio núcleo da democracia”.
A mais recente reforma ortográfica do português no Brasil subordina a língua às contingências do mercado e à agramaticalidade de sua fala oral, rompendo o equilíbrio entre a anomia e a gramatização que caracterizam uma língua viva. Expressionista antes da reforma, “ idéia” ou “ idêia”, a pronúncia diferenciava o português do Brasil e de Portugal, suscitando o metron de seu estranhamento e de seu parentesco , revelador do ethos de um povo. Assim,diferentemente de unificar a palavra escrita, a reforma neutraliza a língua falada, despersonalizando-a. O canto próprio às línguas—sua acentuação, cadência e pronúncia-- recusa a “ língua média”.
A reforma em curso atende à pura funcionalidade da circulação das mercadorias no mercado consumidor e à carência de tradição alfabética no país. Quando a anomia prevalece e cada locutor fala à sua maneira segundo fórmulas privadas, a língua perde sua inteligibilidade e sua aura. Eis por que o latim, língua franca pós-Cruzadas, ao contrário da koiné do Império Romano mediterrâneo, desapareceu como língua viva, resultando nas línguas vernaculares que, por sua vez, para cumprir a comunicação, criaram sua própria gramática .
Por valorizar na língua seu caráter sumário, cômodo e elementar, esta reforma dissolve a dimensão ética da linguagem, da leitura e da literatura. Sob a hegemonia da oralidade agramatical e anti-literária, as desgramatizações não seguem as “tendências da língua viva”, mas obscurecem nuances e refinamentos na comunicação oral e escrita. Além de promover patologias na comunicação, elas atestam desestima pela língua e um déficit na capacidade de amá-la.

Olgária Mattos é filósofa, professora titular da Universidade de São Paulo.
FONTE: kaosenlared.net - Barcelona,Cataluña,Spain
FOTO: http://www.radio.usp.br/
*******************

Orson Welles e Bernardo Bertolucci são atrações do CineSESC em João Pessoa


27/04/2009 23:45
Orson Welles e Bernardo Bertolucci são atrações do CineSESC em João Pessoa

JOÃO PESSOA (ABN News) - Apontados como refência da linguagem moderna da sétima arte, Orson Welles e Bernado Bertolucci, formam uma dupla que dispensa comentários quando o assunto é cinema. De forma peculiar o Cine SESC traz nos dias 29 e 30, dois filmes com participação direta desses ícones do audiovisual internacional.

Nesta quarta-feira (29), às 12h, no Mini Auditório do SESC Centro João Pessoa, será exibido “Tudo é Brasil” (Brasil – Documentário – 1997 – 82 min) com direção assinada por Rogério Sganzerla e participação de Welles. A entrada é franqueada ao público em geral.

“Tudo é Brasil” traz cenas inéditas e imagens dos bastidores do filme americano inacabado “It`s All True” (É Tudo Verdade – EUA - 1941), dirigido e rodado no Brasil por Orson Welles, considerado pai do cinema moderno, na década de 40.

Com depoimentos do próprio Welles, e de tantos outros colaboradores brasileiros e americanos, o longa-metragem traz a tona a história secreta do filme “It`s All True”. O filme retrata o cotidiano dos negros, dos subúrbios cariocas e a vida dos jangadeiros de Fortaleza-CE, revelando ainda o encanto que o cineasta adquiriu ao conhecer a cultura e a criatividade do povo brasileiro.

Orson estréia no cinema, com o longa metragem de 1941, "Cidadão Kane", considerado pela crítica como um dos melhores filmes de todos os tempos e o mais importante dirigido pelo cineasta.

Em 1962 realizou "The Trial", filme baseado na obra "O processo" de Franz Kafka. Welles considerou este um dos seus mais gratificantes filmes realizados. Logo após o ápice, o fracasso foi expresso na obra “A Dama de Xangai” (1948).

Assédio Dirigido pelo italiano Bernado Bertolucci, “Assédio” (França/Itália – Drama - 1998 – 92 min ) estará em cartaz nesta quinta-feira (30), em dois horários, às 12h e 19h, no Mini Auditório do SESC.

O filme coloca em pauta uma temática contemporânea, pertinente e dramática. A trama gira em torno de uma garota africana, fugindo de uma ditadura que prendeu seu marido e ameaça sua vida, vai para a Europa trabalhar como empregada doméstica e é obrigada a reconstruir sua vida num mundo diferente e hostil.

“Assédio” se constrói sobre os contrastes. A começar por colocar, numa mesma casa, a empregada africana que fugiu do país por motivos políticos e um rico herdeiro europeu. Esta diferença básica é explorada por todo o filme.

Das imagens ásperas da miserável África, somos levados a uma belíssima vila italiana onde Mr. Kinski (David Thewlis) consome preguiçosamente o tempo compondo e dando aulas de piano. Com esse contraste original dos personagens, a partir de uma repentina e direta declaração de amor, Bertolucci nos apresenta as mudanças na vida dessas duas criaturas.

O diretor (e co-roteirista) Bertolucci, já ofereceu várias obras-primas. Em 1962, dirigiu “La Commare Secca”, mas obteve reconhecimento com seu segundo filme, “Antes da Revolução”, em que já demonstrava seu estilo político e comprometido com seu tempo.

Em 1967, escreveu o roteiro de “Era uma vez no Oeste”, o melhor filme de Sérgio Leone. Já no templo do cinema, Hollywood, dirigiu o Conformista (1970), que chegou a ser indicado para o Oscar de melhor roteiro. Em 1972, a sua primeira obra-prima, “O último tango em Paris”, em que escandalizou o público e deu a Bertolucci mais uma chance de concorrer ao prêmio mais almejado do cinema americano, desta vez como diretor.

Depois de fazer 1990, um filme monumental e muito ambicioso, Bertolucci partiu para o drama intimista em “La Luna”. Poucos cineastas demonstram tanta versatilidade, mantendo sempre sua marca autoral. Em 1987, consagrou-se com “O último Imperador”, que recebeu nove Oscars, incluindo os de melhor filme e melhor diretor.

Com estas credenciais, “Assédio” despertava uma grande expectativa com seu aspecto profundo e ao mesmo tempo indeciso, entre o drama intimista e a reflexão sócio-cultural, entre a investigação de uma sensualidade reprimida (e por isso infantil) e uma discussão da fidelidade no casamento.

O Mini Auditório do Sesc-Centro que fica situado na Rua Desembargador Souto Maior, nº 281 - Centro de João Pessoa.

Informações pelo telefone (83)3208-3159.

FONTE (imagem incluída): ABN - Brasília,DF,Brazil
http://www.abn.com.br/
********************

Lídia Jorge participa em França num encontro sobre o romance


Lídia Jorge participa em França num encontro sobre o romance

Lisboa, 27 Abr (Lusa) - A escritora Lídia Jorge participa na Terceira edição das "Assises Internationales du Roman", que decorre entre 25 e 31 de Maio na cidade francesa de Lyon e este ano tem como tema "Le roman: hors frontières", informa o Instituto Camões no seu "site".

O encontro é organizado pela Villa Gillet em colaboração com o jornal Le Monde e a rádio France-Inter.
A autora de "Combateremos a sombra" participará, dia 27, na mesa-redonda "La mémoire en héritage" e, dia 31, numa outra intitulada "Ecriture et identité: quelle place pour a psychologie?".
****************

FONTE: RTP - Lisboa,Portugal
FOTO in http://www.mulheres-ps20.ipp.pt/
*****************

Jogos Olímpicos - Sucesso em Londres


28/04/2009

JUDO

Jogos Olímpicos
Sucesso em Londres

Para Rui Rosa, treinador de Telma no Benfica, o resultado obtido "não é surpreendente". "É bastante saboroso conseguir estes resultados, mas também estamos a trabalhar com uma atleta que é um talento do judo mundial", elogiou o técnico, que deixou a selecção feminina após os Jogos Olímpicos.

"Com a aposta que o Benfica está a fazer na secção, torna-se normal que a Telma consiga resultados", confessa, apontando para o aperfeiçoamento da judoca nacional até 2012.

"Sabemos que isto não é um mar de rosas e que qualquer dia a Telma vai perder, mas estamos a pensar numa progressão dela na modalidade e que essa progressão em 2012 dê os seus frutos." Por sua vez, o líder federativo, António Lopes Aleixo, sublinhou que está à procura de um treinador estrangeiro para a selecção feminina, que "esteja ao nível" das atletas nacionais.
Fonte: O Jogo
apud (foto incluída): Infordesporto - Lisboa,Portugal



******************

Theodor Adorno


Theodor Adorno

Theodor Adorno (1903-1969), German Marxist philosopher, sociologist, and musicologist. Born Theodor Ludwig Wiesengrund in Frankfurt am Main on September 11, 1903, Adorno studied for a doctorate in philosophy at the Johann Wolfgang Goethe University in Frankfurt from 1921 to 1924.

In 1925 he became a student of the composer Alban Berg in Vienna, but returned to Frankfurt in 1927, and in 1930 become an associate of the Sozialforschung (the Institute for Social Research) of Frankfurt University, which spawned the Frankfurt School, of which he went on to become a leading member. On his expulsion from Germany, along with other members of the school, by the Nazis in 1934, he moved to Britain, where he took a teaching post at Oxford University. He continued to visit Germany, however, but used his mother’s maiden name, Adorno, for his articles applying Marxist concepts to philosophy and music. In 1938 he emigrated to the United States, where he worked with Max Horkheimer, director of the Frankfurt School, on Dialektik der Aufklärung (Dialectic of Enlightenment, 1947) and other books.

Adorno and Horkheimer returned to Germany in 1949 and to teaching in Frankfurt in 1951. Unlike Horkheimer, Adorno continued to stress the centrality of class divisions in modern societies in books such as Minima Moralia: Reflections from Damaged Life (1951), his response to the collapse of European civilization during World War II, and Jargon der Eigentlichkeit (Jargon of Authenticity, 1964), a critique of the pro-Nazi philosopher Martin Heidegger and others who denied the possibility of objective truth.

Adorno’s greatest influence has probably been through the concepts that he and Horkheimer developed together. These include “instrumental rationality”, the corruption of the ideals of the Enlightenment by systems of domination; “the culture industry”, which transforms works of art into commodities; and “the authoritarian personality” of conformists, who prefer obeying orders to making difficult choices. He died on August 6, 1969.
**********************

FONTE: Adorno, Theodor Wiesengrund - MSN Encarta
http://uk.encarta.msn.com/
FOTO in http://farkyaralari.blogspot.com/
**********************

segunda-feira, abril 27, 2009

Judo: Telma Monteiro mais líder


por: Bruno Leite
27/04/2009 15:43
Judo: Telma Monteiro mais líder

Judoca portuguesa reforçou liderança do ranking mundial.
Dias depois de se ter sagrado Campeã da Europa na categoria de -57 kg, em Tiblissi, na Geórgia, Telma Monteiro reforçou a liderança do ranking mundial da Federação Internacional de Judo, contabilizando 540 pontos, contra os 376 da vice-líder, a grega Louletta Boukouvalla.
Os 540 pontos somados por Telma Monteiro resultam das vitórias no Grande Prémio de Hamburgo (200 pontos), no Europeu de Tiblissi (180) e na Taça do Mundo de Sófia (100), e do 5º lugar no Grand Slam de Paris (60).

FONTE (foto incluída): scn - Porto,Porto,Portugal
http://www.scn.pt/
***************

The Unthinkable Tenderness of Juan Gelman


The Unthinkable Tenderness of Juan Gelman
Life
Written by Reeling / Tito Genova Valiente / titovaliente@yahoo.com
Monday, 27 April 2009 23:30

HE lost his 20-year-old son Marcelo and a pregnant daughter-in-law, Maria Claudia, during the harsh dictatorship in Argentina. These two became part of the desaparecidos, the “disappeared ones.” His granddaughter, born before the disappearance and death of Maria Claudia, was brought to Uruguay and adopted by a progovernment family. He would look for them even as they, like many others, disappeared without a trace. He would find his granddaughter some 23 years later.

Through these years, he would become a writer of significance. Even the country—Argentina—where his metaphors for pain and politics found their wellspring could not deny him the grandest place in the pantheon of literary greats. Argentina would award him the top literary award. In 2007 the poet would receive the Premio Cervantez, the highest literary prize in the Spanish-speaking world. For Gelman, however, that pantheon where he has an august place would not be about living honor but also about death. Fortunately for us, Gelman would share with us the hurt and the healing (this we wish upon him) through poems that have been described as eloquent and haunting.
The evening of April 23 saw Juan Gelman being welcomed at the Instituto Cervantes. In the Salon de los Actos of the institute, Gelman would read in quick succession many poems. His sonorous voice did not seem to belong to one who was a witness to brutality and violence and came out of the darkness proud of the wounds because he could write about them.
Dr. Bienvenido Lumbera, National Artist for Literature, summed up the importance of Gelman by reminding us how we have always been overdependent on English literature, forgetting about the wealth of words from Latin America. Lumbera, himself a poet of the political and the magnificent Everyday, described Gelman as “the sovereign light to our darkness.”
Some of the poems read that night came from his collection of poetry bearing the title of Unthinkable Tenderness. Like Lumbera’s comments, critics who introduced the collection routinely underscored how many people in the English-speaking worlds do not know much about him and his works. We, too, did not know much about him and his works until he started reading them that night. There was no oratory in his reading, no dramatization. Perhaps, that was the best thing one can do with his poetry. His poems were enough. They were angry poems, lonely poems. The lines were tears of the soul and the rhythm conversational and colloquial. The narratives when we caught them were folktales and memories of a man whose power over the losses around him was in his ability to arrange them by word and lines.
One poem elicited laughter: “Sobre La Poesia” (“Regarding Poetry”). Gelman in his poem denigrated, tongue-in-cheek, how very few people read poetry and also talked about his Tio Juan, who died of hunger. There was no money for the coffin and when the truck from the municipio came to fetch the corpse, Tio Juan became like a pajarito, a small bird. The poet says, however, “Tio Juan era asi/le gustaba cantar/y no vela por que lo muerte era motivo no cantar [Tio Juan is really like that/he loves to sing/and he does not understand how death could be a reason for one to stop singing].” At the end, the poet goes back to his poetry and declares that it is good to know that it is alright to sing/squeak in unusual times. The dead man did this and the poet is doing it as well so that he will be loved.
For someone whose poetry has become a symbol of resistance against dictatorship and other forms of oppression, Gelman sometimes points to a world—cynical and utilitarian—where literature has lost its value. Again from his Unthinkable Tenderness, there is one poem called “Confianzas,” or “Confidences.” Once more, he describes a poet: he sits down at the table and writes/“with this poem you won’t take power” he says/“with these verses you won’t make the Revolution” he says/“nor with thousands of verses will you make the Revolution” he says. For Gelman, the poem would not “keep him dry in the rain/nor get him grace or forgiveness.”
Born to Ukrainian parents and with Jewish roots, Juan Gelman’s universe is also about diaspora as it is about disappearances. In the opening program, he read a poem, “Oracion de Un Descupado,” which was translated by Lumbera into “Orasyon ng Isang Nasesante sa Trabaho.” Lumbera opted to keep the word oracion even if the word could be translated into “prayer,” or panalangin. In Filipino folk culture, panalangin, or prayer, always has this quiet, receptive quality; orasyon takes on the magical, the nearly occult, powerful subversion of faith.
Juan Gelman opened the International Book Day, or Dia Internacional del Libro, at Instituto Cervantes. The three-day activity was brought over to the Philippines in 2006. Jose “Pepe” Rodriquez, the director of the institute, continues the event by working around activities that are populist and popular. Already, the institute initiated a radical introduction of poetry through “Berso sa Metro,” in which lines from famous Spanish poets, along with Filipinos who wrote in Spanish, are laid out on the wall of the trains of LRT1, LRT2 and MRT. Gelman himself is there in the trains with his poem. For this year, the Dia Internacional del Libro included music, dance, film and discussion about publishing and other contemporary concerns.
The session of Juan Gelman was called “Escribiendo cartas al silencio,” or “Writing Letters to Silence”. In Pilipino: “Ang Pagsusulat sa Katahimikan.” It cannot be denied that Gelman is able to capture silences, and discover the voices of those who cannot be seen any longer, or dance anymore. The lesson in all this is that if Philippine-Spanish relations are to blossom, it will find its fertile soil in the arts and respective languages of the countries. We look more to Instituto Cervantes, in cooperation with cultural workers of this country, to work in those areas of cultures where beauty of thoughts mingles as naturally with the not-so-pleasant pasts and realities that we somehow do not ordinarily celebrate.

FONTE (foto incluída): Business Mirror - Philippines

Judô: Sogipano conquista o Campeonato Nacional Universitário


Outros
Judô: Sogipano conquista o Campeonato Nacional Universitário

27/04/2009 - 16:05:11 - por PC & AI Sogipa - Final Sports
Guilherme Luna, atleta da equipe Oi/Sogipa, conquistou na última sexta-feira, dia 24, o título do Campeonato Nacional Universitário de Artes Marciais, na modalidade judô. A competição, que ocorreu no ginásio municipal Valdemar Blatkauskas, em Piracicaba, interior paulista, garantiu ao sogipano uma vaga na Universíade, a Olimpíada Universitária, que será realizada em Belgrado, na Sérvia, no mês de julho.

FONTE: Final Sports - Porto Alegre,Brazil
FOTO in http://www.judorio.org.br/
*****************

Galstyan hinders Davtyan


Galstyan hinders Davtyan
12:39 pm April 27, 2009 Sports

The 2009 European Judo Championships drew to an end in Tbilisi. Five sportsmen represented Armenia in the championship.
Arsen Galstyan of Russia won a gold medal becoming Europe's champion.
Our expectations were especially great from Hovhannes Davtyan (60 kg) who lost to another Armenian judoist, Arsen Galstyan in round one.
Another leading judoist, Europe's ex champion Armen Nazaryan (66 kg), beat Turkish Hasan Yilmaz and Greek Tariel Zintiridisi. But in the semi-finals Nazaryan lost to Italian Francesco Faraldoy. In a struggle for a bronze medal Armen lost to Russian Alim Gadanov.
Robert Vardanyan lost to Polish Christophe Vilkomirski in the 73 kg weight category and Hakob Arakelyan (90 kg) to Belorussian Andrei Kazusonyak in the 1/8 semifinals.

FONTE (foto incluída): A1plus - Armenia
http://www.a1plus.am/
************

domingo, abril 26, 2009

A vida que resulta de um jogo de palavras


A vida que resulta de um jogo de palavras
Décio Pignatari, escritor e ensaísta; Bili com Limão Verde na Mão explora as múltiplas possibilidades do ato de narrar

Francisco Quinteiro Pires

Apesar de correr o risco do insucesso, Décio Pignatari não quer contar histórias. Ele prefere explorar as possibilidades da escritura. Não é adepto de preencher as lacunas do relato. A imaginação do leitor que o faça a partir do jogo com as palavras. Essa é a ideia de Bili com Limão Verde na Mão (Cosac Naify, 80 págs., R$ 45), livro classificado como infanto-juvenil e primeira publicação de narrativa ficcional de maior fôlego do escritor paulista desde Panteros (1992).

Bili... é a história de Belisa, uma menina de 13 anos, e sua passagem para a adolescência em um universo de elementos urbanos e rurais. Começou a ser escrito nos anos 50, quando Décio integrou o grupo dos concretistas com Haroldo e Augusto de Campos. "Demoro muito para fazer tudo", diz Pignatari, de 81 anos, que até hoje não usa computador. Bili com Limão Verde na Mão tem influência do romance picaresco espanhol, do concretismo, de Lewis Carroll, de James Joyce, de Oswald de Andrade. Leia a seguir os principais trechos da entrevista.

É mesmo um livro para crianças?

É uma história infantil para adultos. Quis fazer diferente, um conto em que acontecem coisas reais e oníricas. É sobre a passagem para adolescência de uma menina, durante uma viagem. Ela mora entre a cidade e o campo. Escrevi quando vivia num sítio. Esse conhecimento do mundo rural me ajudou a localizar a Bili. É sempre um percurso simbólico, e não interessa se é verdadeiro ou real. Se fosse com um menino, ele estaria ligado a feitos de aventura. Com a menina é diferente, ela quer mais é integrar-se às coisas do que fazer parte de mil peripécias.

Podemos dizer que é a odisseia de uma menina que descobre o absurdo da vida e a sua falta de controle sobre os fatos e sobre si mesma?

Sim. As coisas vão pulando na frente dela, é tudo surpresa. Bili vive entre o real e o arreal, aquilo que não parece muito lógico, como disse Albert Camus. Ela faz uma odisseia, que é uma coisa clássica e simboliza também o (des)encaminhamento da própria vida. O rito da passagem ocorre até hormonalmente com a Bili. Não estava interessado em criar um tipo, como fez Monteiro Lobato, mas em falar dessa viagem da infância para a puberdade.

Há 10 anos, o senhor disse que a prosa é uma coisa infernal, de um sofrimento brutal, enquanto a poesia é coisa divina. Mudou de opinião?

Mudei de lado. A poesia é sempre síntese. A cabeça do poeta está voltada para a fisicalidade da palavra. Qualquer poeta a sente em suas diversas dimensões, da visual à musical. O contato com a fisicalidade está até na poesia estruturada em prosa. É o caso de Finnegans Wake, do James Joyce. Meu mestre em matéria de poesia e prosa é o Oswald de Andrade. Me admiram a síntese da história, o modo de ir direto ao assunto, de ser econômico, de criar algo inesperado, de ficar entre o real e o arreal. Quando vou para a prosa hoje, é o céu. Não tenho que sofrer. Mas é difícil fazer prosa sem contar uma história. Ela exige um enredo. Eu não quero só contar a história. Não concordo com os escritores brasileiros que dizem que fazer um livro é contar uma história. Isso é bobagem. O ponto crucial da prosa moderna é o Ulisses, do Joyce, que simplesmente não tem história nenhuma. Quem não conta história no Brasil não tem êxito. Prefiro descrever as possibilidades de uma história a descrever a história. Precisamos deixar os espaços de narrativa para o leitor. Ele que imagine!

Por que quem não conta história no Brasil não tem sucesso?

Não temos nível para apreciar a escritura. A história da literatura brasileira é uma lástima. Não mostra que não houve uma literatura urbana no Brasil na época de Vargas. José Lins do Rego e outros usavam apenas o realismo literário europeu aplicado a um ambiente rural. O próprio Mário de Andrade escreveu Macunaíma, um romance pré-industrial. O Brasil não tinha tradição do romance urbano. Por isso ninguém entendia Oswald de Andrade. O grande romance do modernismo é Memórias Sentimentais de João Miramar. João Miramar tem a técnica cubista aplicada na prosa. É um simultaneísmo que ninguém entende. João Guimarães Rosa tinha até um pouco mais de consciência de linguagem.

Mas quem estudou a sério os maneirismos do Rosa, que misturou Joyce com a linguagem caipira?

E o problema da incoerência narrativa no romance, que já existe no Dom Quixote, do Cervantes? De vez em quando, fazem simpósios para saber se a Capitu traiu ou não o Bentinho! As pessoas se ligam aos psicologismos, porque nosso nível de leitura é muito pobre.

O senhor foi professor universitário durante muitos anos. Qual o problema com os cursos de letras?

Os cursos não ensinam a fazer análises nem comparações. Eles são burocráticos e nacionalistas. Só estudam a literatura santificada, que você tem de engolir de modo acrítico. Em geral, os professores não entendem outras artes, como cinema, design, fotografia, pintura, etc. Quando eu era professor no interior de São Paulo, não deixaram que lecionasse modernismo, tinha de ficar no José de Alencar. As ciências humanas na universidade não avançam.

Os poetas concretos sugeriram, no lugar do discurso lógico, uma sintaxe analógica e ideogramática. Tentavam quebrar as fronteiras verbais e não-verbais. O que aparece do projeto concretista em Bili com Limão Verde na Mão?

Esse projeto aparece em parte, pois há um design tipográfico especial e a eliminação da pontuação no livro. Guillaume Apollinaire foi o primeiro a escrever poema sem pontuação, tornando-o simultâneo. Essa ideia conduziu o começo de Bili..., que não tem vírgulas. Você vê a multiplicidade de coisas ao mesmo tempo, e não uma após a outra. O discurso ocidental favorece a lógica. A frase tem um princípio de organização feito para conduzir o pensamento com uma finalidade. A poesia no Ocidente é essa contradição. Ela tem um discurso lógico aparente e um analógico subversivo por baixo das palavras. Usei tudo isso em Bili...

O olhar que a menina Bili lança ao mundo carrega o desejo de capturar essa multiplicidade?

Isso é até natural da psicologia feminina. Bili recebe, ao mesmo tempo, muitas coisas do mundo e quer se integrar a elas. Não quer orientar nem dizer o que as coisas devem ser, mas impregnar-se das coisas e impregná-las. Por isso ela se abre para tudo. O fim é importantíssimo, que é o grito final dela para o avião que passa. "Leva eu!", que rompe com a gramática. Para explicar esse mundo aberto, tive de brincar e jogar com as palavras.

OPOSIÇÃO: "Não concordo com os escritores brasileiros que dizem que fazer um livro é contar uma história"

AMADURECIMENTO: "Não interessava criar um tipo, mas falar da passagem para a adolescência de uma menina"

IMPASSE: "Quando vou para a prosa, é o céu. Não tenho que sofrer. Mas é difícil fazer prosa sem um enredo"
FONTE: Estadão - São Paulo,SP,Brazil
FOTO: http://bravonline.abril.com.br/
********************

Artaud, pièce courte


Artaud, pièce courte
Maison de la Poésie (Paris) avril 2009

Composition pour voix et espace conçue par Diane Scoot, scénographie de Jessy Ducatillon et Diane Scott, avec Marie-Jeanne Laurent et Eugène Durif en alternance.
Un installation plus qu'une pièce.
Les spectateurs sur deux rangs de tréteaux face à un mur dans une salle voûtée du quartier de Beaubourg. Des plaques de glaces fixées sur des néons au plafond, les gouttes éclatant régulièrement au sol. Une lectrice assise à un pupitre dans le prolongements des tréteaux.
La lumière s'éteint. Des films d'archive, sans paroles, noirs et blancs, montrant des émeutes, des soldats qui battent en retraite, des pendaisons... Pas d'indication de l'origine de ces films : la crise de 29 aux États-Unis, la retraite de Russie, la guerre d'Espagne ?...
Puis, entre les scènes du film, des citations, des poésies, blanc sur noir, image fixe.
Puis la voix, régulière, lente, claire et un peu monotone. Lecture de textes d'Edward Bond, de Robert Castel, de Jacques Lacan, de Pier Paolo Pasolini... Extraits juxtaposés.
Les plaques de glace continuent de fondre. Tombent au sol. Se brisent.
Diane Scott voulait éviter la simple lecture de poésie, dans laquelle le lecteur ou le réciteur se pose en incarnation du poète. Son souhait semble plutôt de proposer une vision intime du poète. Sa vision, son interprétation du poète en enfant du siècle. Ou peut-être est-ce là sa propre création, à son propre rythme, avec ses thèmes emmêlés, de mort, de révolte, de violence, de masque, de souvenirs, qui lui suggèrent une parenté avec les écrits d'Antonin Artaud. Artaud dont un texte, extrait de "Suppôts et Supplications", dernier recueil écrit avant sa mort, clôt le spectacle.

Laurent Coudol

FONTE (imagem incluída): Froggy's Delight - France
http://www.froggydelight.com/
*********************

Fernando Sanches conquista medalha na V Copa Seichin de Judô


Fernando Sanches conquista medalha na V Copa Seichin de Judô

O judoca avareense Fernando Estevam Sanches, que tem como um de seus patrocinadores a Unimed de Avaré, conquistou o primeiro lugar, na classe júnior e categoria pesado, da V Copa Seichin de Judô – Troféu Yokichi Kimura, torneio realizado em Mogi das Cruzes, no dia 21 de março, em comemoração aos 37 anos do clube de judô da cidade. No dia 09 de maio, o judoca Fernando irá participar da Seletiva Nacional Panamericana de Judô, que acontecerá em Brasília.
Na classe júnior, categoria pesado, o segundo lugar ficou para João Antonio Rodrigues Bonfim, da Associação Limense de Judô, e o terceiro foi conquistado pelo atleta Luis Francisco Wetzler Neto, da Associação Atlética Botucatuense. O torneio contou com a participação de cerca de mil atletas provenientes de 60 das maiores e mais conceituadas associações de judô do Estado de São Paulo, abrindo assim calendário de torneios preparatórios.
O judoca Fernando Sanches, que treina na Associação Atlética Avareense do Sensei Nishida, já acumula diversas medalhas em sua trajetória esportiva. Entre suas conquistas, merecem destaque os seguintes títulos: campeão sulamericano de judô, categoria junior-pesado, de vice-campeão de Junior em 2008, tricampeão regional, bicampeão estadual – Bastos, campeão do Circuito Regional Junior Bauru e campeão do Circuito regional Sênior – Botucatu.
Patrocínio no futebol
Outro atleta avareense patrocinado pela Unimed de Avaré é o jogador de futebol Gabriel Campanha de Mello Moura, que está matriculado no Clube de Treinamento Sport Clube Savoya, na cidade de Araçoiaba da Serra, região de Sorocaba, participando de treinamento para formação na modalidade.
Especializado na formação de atletas para clubes conceituados, o Sport Clube Savoya já revelou nomes importantes do futebol brasileiro, entre eles o goleiro Deola, do Palmeiras, e o zagueiro Bruno, campeão brasileiro pelo São Paulo em 2008.

FONTE (foto incluída): Jornal Folha de Avaré - Avaré,Brazil
http://www.folhadeavare.com.br/
*********************

Un bilan mitigé


Un bilan mitigé

Après deux belles journées marquées par les titres de Jossinet (-48kg) et Decosse (-70kg), l'équipe de France a terminé les Championnats d'Europe, dimanche, avec un zéro pointé. Les absences de Riner et Dafreville ont pesé chez les garçons tandis que chez les filles, Céline Lebrun s'est contenté d'une 5e place. Malgré tout, le bilan global est loin d'être négatif. Certains jeunes ont de l'avenir.

Un dimanche bredouille. L'équipe de France n'a pas réussi à tenir le rythme d'un titre et un bronzé pendant les trois jours. Cette dernière journée est habituellement celle des poids lourds, une journée plutôt faste pour le judo français. Cette fois-ci, avec les blessures de Teddy Riner (-100kg) et d'Yves-Mathieu Dafreville (-90kg) chez les hommes sans oublier le départ d'Anne-Sophie Mondière (+78kg), le paysage était sensiblement dépeuplé. Si bien que la plus belle chance tricolore était représentée par une revenante: Céline Lebrun.

La journée avait bien commencé pour la quintuple championne d'Europe puisqu'elle avait battu la Suissesse Campestrin (au golden score) puis la Russe Kazantseva (yuko) en fin de combat. Malgré ces deux premiers combats difficiles, Céline Lebrun était donc qualifiée pour les demi-finales. De bon augure ? Pas tout à fait car la suite sera autrement moins sympathique. L'Ukrainienne Pryshchepa va la battre par ippon en demi-finale avant que la Biélorusse Tsimashenika n'en fasse de même dans le combat pour le bronze. Une cinquième place finale forcément décevante loin de la lignée d'un début d'année autrement plus rayonnant.

Les garçons à la peine

Céline Lebrun n'était pas la seule sur les tatamis de Tbilissi. En +78kg, la jeune Emilie Andeol aura à peine goûté aux joutes continentales. Elle s'est en effet inclinée dès le premier tour face à la Russe Elena Ivashchenko, future championne d'Europe. Sans cesse sur la défensive, elle n'a jamais vraiment été dans le coup et s'incline finalement sur ippon. Elle est victime du nouveau règlement avec les repêchages à partir des quarts de finale. Il lui reste néanmoins encore du travail pour se rapprocher du haut niveau.

Chez les hommes, Nicolas Brisson (-90kg) n'a guère été gâté par le tirage au sort puisqu'il a hérité de l'Azéri Mammadov. Le remplaçant de Dafreville a néanmoins tenté le coup à fond, mais il s'est incliné sur waza ari puis ippon... En -100kg, Matthieu Bataille, sorti d'une poule de sélection dans la dernière ligne droite, s'est lui aussi incliné dès le premier tour, avec un ippon bien trop rapide. Une grosse déception de plus. Finalement, du côté des garçons, seul Pierre Robin a remporté un combat dimanche ! Il a en effet disposé du Hongrois Bor Barna avant de s'incliner face à la surprise du jour: l'Estonien Martin Padar, finalement champion d'Europe après avoir notamment battu Mikhaylin.

En repêchages, Robin est tombé face au Polonais Wojnarowicz. Le Français menait pourtant yuko après deux sanctions adressées à son adversaire mais il s'est fait remonter à 9 secondes du terme avant de s'incliner en golden score.

FONTE (foto incluída): Sports.fr - France

sábado, abril 25, 2009

Currículo de Telma Monteiro


24/04/2009
JUDO
Dezenas de medalhas
Currículo de Telma Monteiro
Telma Monteiro é seguramente a melhor judoca portuguesa de sempre, somando dezenas de medalhas ao longo destes últimos anos.
Cedo revelou apetência para a prática desportiva, segundo revela o site oficial www.telmamonteiro.com.
Aos 12 anos experimentou pela primeira vez o judo, por influência da sua irmã Ana, também ela uma judoca de eleição, mas não achou grande piada tendo-se voltado para o futebol.
Farta de estar sentada no banco, já que raramente era opção para o treinador, Telma, mais uma vez incentivada pela irmã Ana, volta ao judo então já com 14 anos.
Os treinadores Vítor Caetano e Manuel Cabete, mestres do Construções Sul, ficaram admirados com o “jeito” daquela miúda de corpo franzino e não tardaram a leva-la a uma competição poucos meses depois de se ter iniciado na modalidade.
Para espanto de todos, Telma conquistou uma medalha na sua primeira competição oficial, dando assim início a uma carreira já brilhante.
CURRÍCULO
Nome: Telma Alexandra Pinto Monteiro
Data de Nascimento: 27 de Dezembro de 1985
Naturalidade: Almada
Clube: Sport Lisboa e Benfica- 2009
Campeã da Europa de Seniores
Medalha de Ouro na Taça do Mundo Super A de Sofia- 2008
Medalha de bronze no Torneio Super A de Paris- 2007
1ª Taça do Mundo de Lisboa
2ª Campeonato do Mundo - Rio de Janeiro
2ª Taça do Mundo Super de Moscovo
1ª Taça do Mundo A de Vejen - Dinamarca
Campeã da Europa de Seniores
2ª - Taça do Mundo Super A de Paris
Nomeada para os Globos de Ouro - 2006
Campeã da Europa de Seniores
Campeã da Europa de Sub 23
Campeã Nacional de Seniores
1ª - Torneio Super A de Moscovo
1ª - Ranking Mundial
2ª - Torneio de Fukuoka – Japão (-57kg)
2ª - Torneio de Boras – Suécia ( -57kg)
Atleta do Ano pelo CNID
Medalha Olímpica Nobre Guedes - COP - 2005
1ª - Taça do Mundo de Madrid
3ª - Taça do Mundo Finlândia
3ª - Campeonato do Mundo de Seniores – Egipto
3ª - Campeonato da Europa de Seniores – Holanda
Campeã Nacional de Seniores
Campeã Nacional de Equipas Seniores
Personalidade Feminina Área do Desporto Revista LUX- 2004
Campeã da Europa de Juniores – Bulgária
3ª - Campeonato do Mundo de Juniores – Hungria
3ª - Campeonato da Europa de Seniores
9ª - Jogos Olímpicos de Atenas
1ª - Torneio A da Áustria
1ª - Torneio A de Itália
2ª - Torneio B da Alemanha
3ª - Torneio A da Polónia
3ª - Torneio A de Tallin
Campeã Nacional de Seniores
Campeã Nacional de Equipas Seniores- 2003
Campeã Nacional de Equipas Juniores
Campeã Nacional de Juniores
Campeã Nacional de Seniores
1ª - Torneio de Madrid
1ª - Torneio A de Juniores da Hungria
3ª - Torneio A de Juniores da Republica Checa
3ª - Campeonato da Europa de Juniores – Bósnia- 2002
Campeã Nacional de Juniores
Campeã Nacional de Equipas Juniores
FONTE: Infordesporto - Lisboa,Portugal
FOTO: http://mentes-in-quietas.blogspot.com/
**************************

Judo team's future to be decided today


Judo team's future to be decided today
Sunday, April 26, 2009KARACHI: A four-member Pakistan's judo team is expected to participate in the Asian Judo Championship to be held in Chinese Taipei from May 22 to 24, a top official of the Pakistan Judo Federation (PJF) told 'The News'.

The secretary of PJF Masood Ahmad said in order to give final touch to the programme a meeting of the federation will be held in Rawalpindi on Sunday. He said a top official of the federation will also attend a meeting of the Judo Union of Asia to be held during the three-day championship.

He disclosed that the federation plans to send those boys to Chinese Taipei who have already been picked for the Asian Martial Arts Games from June 6 to 14 in Bangkok. Zafar Iqbal, Muhammad Miraj, Naveed Akbar and Karamat Butt have been picked for the Asian Martial Arts Games. He also disclosed that the PJF have also received an invitation from the organisers from the World Judo Championship to be held in Sindelfilgel in Germany from May 27 to 28.

FONTE: The News International - Karachi,Pakistan

«Para mí, la poesía es lo más útil de la Tierra»



Viernes, 24-04-09
POR M. MOREIRA
VALENCIA. Para la presentación de «Ánima mía» en su tierra natal, Carlos Marzal se hizo acompañar ayer de Francisco Brines, su más directo maestro. Para el veterano poeta valenciano -al que Marzal quiere «como a un padre» y con el que se divierte «como con un amigote»-, la poesía de su discípulo (al que no quiere considerar como tal) es «tan apasionada como abundante en matices y pensamiento vigoroso y lleno de temblor». Con palabras de atento lector, Brines citó los puntos coincidentes de Marzal con los versos de Lope de Vega, con los de la corriente luterana y la escuela barroca.
Exaltación de la vida

En «Ánima Mía» se confirma la definitiva evolución del autor de «El último de la fiesta» desde lo elegíaco a la celebración de la vida. Del lamento a la plenitud que sigue a la felicidad. Marzal -entre cuyos muchos méritos figura la obtención del Premio Nacional de Poesía del año 2002 y el prestigioso Premio Loewe- recitó ante un abarrotado foro en la FNAC de Valencia varios de los poemas contenidos en este último libro. Uno de ellos dedicado a sus hijos, otro al propio Francisco Brines, al escritor y amigo Luis Landero, y a su mujer.
El «deslumbramiento por la vida» y la adicción a la poesía («que para mí es lo más útil de la Tierra») es en definitiva el protagonista de este pequeño poemario, al que han precedido otras obras como «Fuera de mí», «Los países nocturnos», «Metales pesados», «El corazón perplejo» y la novela «Los reinos de la casualidad».

FONTE: ABC.es - Madrid,Madrid,Spain

IMAGEM: Anima Una by Cecile Lensen

in http://www.epilogue.net/
************************