terça-feira, março 31, 2009

Se creó la Liga Nacional de Clubes


martes 31 de marzo de 2009 JUDO
Se creó la Liga Nacional de Clubes

El torneo arrancará en mayo. Todas las fechas se disputarán en este Centro Nacional de Alto Rendimiento con entrada libre y gratuita.

Según informó el sitio Deportes.gov.ar, el judo argentino tendrá su primera Liga Nacional de Clubes, que comenzará en mayo con la primera de las tres fechas programadas para este año, con sede en el CENARD y entrada libre y gratuita.

“Es el punto de partida que marcará un cambio en la difusión del judo y su conocimiento. Creará otra idea de este deporte”, señaló la judoca olímpica Paula Pareto, quien será una de las figuras presentes junto con Daniela Krukower, Emmanuel Lucenti, y Miguel Albarracín.

La primera fecha será del 8 al 10 de mayo, la segunda del 16 al 18 de julio, y del 20 al 22 de noviembre se realizará la tercera. Y como la principal idea de la competencia es la difusión del judo en el país, las fechas serán televisadas por la señal abierta de Canal 7, con sucesivas repeticiones.

La “Peque” agregó: “Creo hay que darle mucho apoyo, más del que da el Estado porque es una idea excelente si se la lleva adelante como se la pensó. También va a ser importante el hecho de competir por equipos porque no vas a estar sólo sino que vas a responder a un grupo”.

Emanuel Lucenti, también representante olímpico en Beijing, comentó “Que sea transmitido por televisión abierta es un incentivo mayor para mostrar lo mejor de este deporte a gente que no lo conoce. Además participarán extranjeros, lo que le dará mayor jerarquía y nos permitirá mostrarnos en un mejor nivel”, apuntó Lucenti, quien logró el bronce en 81 kg en el reciente Panamericano disputado en el CENARD, la segunda medalla del año tras la obtenida en Hungría, en la gira europea junto a Pareto y Albarracín.

Asimismo, la “dama de hierro” Daniela Krukower, que compite para Regatas de Corrientes y representará a Formosa en la Liga, comentó que “esta Liga existe en Israel donde yo competía y está auspiciada y televisada, lo que le da una enorme promoción al judo que es popular y se practica en las escuelas. Y a eso también hay que apuntar”.

Participarán clubes, institutos, gimnasios, asociaciones o establecimientos educativos. Los equipos participantes deberán estar afiliados a las federaciones provinciales que se encuentran integradas a la Confederación Argentina. Cada equipo deberá pagar una afiliación anual y un derecho de participación en cada una de las tres fechas. Asimismo, los judocas ganarán premios en efectivo y, el monto de los premios a repartir, cuyo porcentaje ya está fijado en el reglamento, dependerá del dinero que se recaude en concepto de inscripciones.

Por su parte, Eduardo Fernández -Director Deportivo Nacional de la CAJ e impulsor del certamen- explicó: “Creemos que esto va a ser una herramienta deportiva más de la Confederación. Queremos difundir la competencia por equipos, cuyo impulso en los últimos dos Nacionales nos dio el aval para la diagramación de este torneo”.

Reglamento de la Liga

En cuanto a lo estrictamente reglamentario cabe destacar la composición de los equipos, que podrán ser fusiones de dos clubes en varones y de tres en mujeres, aunque la cantidad de equipos para el torneo será ilimitada. El equipo masculino contará con cinco judocas titulares, tres suplentes y dos extranjeros, los cuales podrán sustituirse en cualquier momento. Mientras que las mujeres tendrán cuatro titulares, tres suplentes y dos extranjeras, con las mismas condiciones.

Vale la aclaración que existe una cláusula por la cual los equipos de la rama masculina sólo podrán contar con un integrante becado por la Secretaría de Deporte de la Nación correspondiente al año en curso y el inmediato anterior.

El primer cierre de inscripción tendrá como fecha el 19 de abril (presentación del nombre del equipo y trámites administrativos” y la segunda será el 4 de mayo (sólo para trámites administrativos).

Durante la primera fecha quedarán establecidas las divisiones en las que se competirá en las fechas posteriores, tanto en damas como en caballeros. Los judocas lucharán en las categorías hasta 66 kg, 73 kg, 81 kg y 90 kg, y en Open.

A su vez la competencia estará dividida en ligas, que quedarán determinadas luego de esta primera edición. Para la rama masculina habrá Liga de Honor, Liga de 1º División, Liga de 2ª División, Liga de 3ª División y Liga Juvenil Sub-20. En tanto que para las mujeres se dividirán en Liga de Honor y Liga de 1ª División.

Además se realizará un Evento Final (nombre a determinar), que será la última fecha del año, a la que accederán los mejores ocho equipos clasificados. Fuente: Deportes.gov.ar
Notas relacionadas

FONTE (foto incluída): Red Marcial - Buenos Aires,Argentina - http://www.redmarcial.com.ar/

La sélection française


31/03 11h00 - Judo, Chpts Europe
La sélection française
Les équipes de France féminine et masculine pour les Championnats d’Europe de judo ont été dévoilées.

Les Championnats d’Europe auront lieu en Géorgie, à Tbilissi, du 24 au 26 avril. Teddy Riner et Lucie Decosse seront les deux têtes d’affiche de la délégation française. Le nom du judoka retenu dans la catégorie des -100 kg est encore à décider.
La sélection féminine

-48kg : Frédérique Jossinet (réserve : Laëtitia Payet)

-52kg : Audrey La Rizza (réserve : Marine Richard)

-57kg : Morgane Ribout (réserve : Barbara Harel)

-63kg : Irène Chevreuil

-70kg : Lucie Decosse (réserve : Gévrise Emane)

-78kg : Céline Lebrun (réserve : Stéphanie Possamaï)

+78kg : Emilie Andeol

La sélection masculine

-60kg : Farid Ben Ali (réserve : Sofiane Milous)

-66kg : Sébastien Berthelot (réserve : David Larose)

-73kg : Gilles Bonhomme (réserve : Mohamed Riad)

-81kg : Axel Clerget (réserve : Alain Schmitt)

-90kg : Yves-Matthieu Dafreville (réserve : Nicolas Brisson)

-100kg : à déterminer

+100kg : Teddy Riner (réserve : Pierre-Alexandre Robin)

FONTE: Sport 24 - France

Judo: ottimi risultati del Vallecrosia a Volpiano


Judo: ottimi risultati del Vallecrosia a Volpiano
Si è svolto nell’ultimo weekend, presso il palazzetto dello sport di Volpino, in provincia di Torino, il 6° trofeo ‘Internazionale Azzurro’ di Judo. La manifestazione ha visto la folta rappresentanza di atleti, ben 780 tra pre-agonisti ed agonisti. Lo Judo Club Vallecrosia era presente con cinque de suoi atleti che, considerando l’alto livello tecnico della manifestazione hanno dato prova di maturità, combattendo con determinazione e tenacia.

Da sottolineare la prestazione di Eros Moro, classe cadetti 66 kg che raggiunge il secondo gradino del podio su 25 atleti presenti in categoria, affrontando ben 4 incontri e vincendoli per Ippon (il massimo punteggio) approdando in finale contro il forte parmense, Melegari. Contro di lui, però, si infrangono i sogni di vittoria del vallecrosino. Gli altri agonisti: Camilla Fontana, Mattia Monaco, Simone Prestileo e Mirko Valenti (alla sua prima esperienza agonistica) hanno messo in mostra doti tecnico tattiche notevoli, frutto del duro lavoro e dell’attenta programmazione svolta in palestra. Hanno dovuto affrontare atleti dei club tra i più forti d’Italia.

"Sono convinto - commenta soddisfatto il Tecnico Federale Mauro Monaco - che queste esperienze contribuiscano ad arricchire il bagaglio di ogni atleta, e non possano essere che positive, per una crescita personale e dl gruppo".
R.A.
Martedì 31 Marzo 2009 ore 11:36

FONTE (imagem incluída): Sanremonews - Sanremo,Italy

Brasil comemora 50 anos do Grupo Oficina


Seção : Teatro - 30/03/2009 12:27
Brasil comemora 50 anos do Grupo Oficina
DVDs registram a luta do diretor Zé Celso Martinez Corrêa para fazer do teatro um instrumento político de celebração da vida


Há alguns meses, gente de todo o Brasil recebeu uma convocação estranha. O convite era para fazer parte de uma plateia especial. É que um dos mais importantes grupos de teatro do Brasil, o Oficina, de São Paulo, estava comemorando 50 anos. Como parte da celebração, haveria o registro em vídeo de algumas das mais importantes obras de seu repertório. Quem não foi tem agora nova chance de participar da festa: acaba de ser lançada a caixa Festival Teat(r)o Oficina, com quatro DVDs que trazem Boca de ouro, Cacilda!, Bacantes e Ham-Let. Além de extras que dão uma boa ideia do que é o pensamento do grupo e, principalmente, de seu diretor, Zé Celso Martinez Corrêa – talvez o mais importante profissional de teatro em ação no Brasil.

Já seria bom o suficiente se fossem registros simples. Mas os quatro DVDs são bem mais do que isso. Produzidas pela Academia de Filmes e distribuídas pela Trama, as obras, com direção de Tadeu Jungle e Eliana César, embarcam na ideia de mergulho rumo à alma do Oficina. Se não chegam a oferecer ao público um análogo cinematográfico da enlouquecida estética de Zé Celso e sua trupe, permitem aos espectadores viagens diversas. Os diretores têm a sabedoria de se fingirem de neutros quando necessário, em tomadas com a câmera numa das extremidades da passarela que é centro do teatro criado por Lina Bo Bardi para o Oficina, por exemplo.

Em outros momentos, vão em direção ao que há de mais puro no cinema: a supremacia da montagem, como quando representam a loucura e a morte de Ofélia em Ham-Let. Em seu percurso de um extremo ao outro, os filmes permitem ao público conhecer os labirintos do espaço (a câmera arremete atrás de Dionísio em As bacantes, numa jornada pela plateia), escandalizar-se com as obsessões fálicas de Zé Celso (o registro de Ham-Let chega a mostrar o ator Marcelo Drummond se masturbando em cena), aproximar-se das radicais propostas dos artistas do Oficina.

ARTE POPULAR

Com tudo isso, o conjunto de DVDs realiza função incomum. Zé Celso e seus intérpretes são nostálgicos de um tempo em que o teatro era a grande arte popular e tinha sentido simbólico importante na construção da autoimagem das sociedades. Sua criação tenta o retorno a isso. São obras que não pretendem ser apenas objetos de consumo. Aliás, negam terminantemente essa possibilidade: elementos como a longa duração (Ham-Let tem quase cinco horas, Cacilda! chega às quatro), a sensação de risco produzida pela proximidade entre palco e plateia ou a utilização constante de imagens e objetos escatológicos ou obscenos garantem a impossibilidade de alguém meramente contemplar os espetáculos, como se exigissem dos espectadores coragem e firmeza de posições. Numa época em que a indústria cultural produz em série obras incapazes de serem lembradas depois da primeira cerveja após o espetáculo ou o filme, o Oficina insiste na arte que pretende ter sentido, razão de ser.

O único limite para aqueles artistas parece ser a própria vontade. Ham-Let, por exemplo, abre espaço para brincar com a antiga disputa territorial com o SBT (vizinho do teatro no bairro paulistano do Bixiga). Bacantes avança sobre terrenos frequentemente associados à ópera, à dança ou ao desfile de escolas de samba. Cacilda! é pretexto para montar cenas de alguns dos textos mais cults do teatro, como Esperando Godot, de Samuel Beckett. Cacilda! acaba evidenciando algo que talvez seja a tônica do trabalho do Oficina, e que é mais sutil em outras montagens: em última instância, o grupo fala, o tempo todo, do teatro em si, do ato cênico. É este seu tema. Empolga porque é o único tema que sintetiza todos os outros – e, por isso mesmo, o único que realmente interessa. A representação visceral, ritual, festiva, da alegria de viver e do medo da morte transforma obras como Bacantes ou Ham-Let em exercícios de existência, tanto para artistas quanto para espectadores.

Tyato do coração

Confessado ou não,

consciente ou inconsciente,

o estado poético d invenção


d graça…

d êxtase…

ou (está)cio…

dê o nome q quiser
é o q as pessoas procuram

no amor,

no crime,

nas drogas,

na guerra,

na insurreição…

e é o q o teatro do coração

pode e quer dar

(Zé Celso)

PRODUTO BRASILEIRO

O Teatro Oficina foi fundado em 1958 por atores vinculados à Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, atualmente ligada à Universidade de São Paulo (USP). Sua tentativa de criar uma linguagem para o teatro brasileiro, capitaneada pelo diretor Zé Celso Martinez Corrêa, consolidou-se na segunda metade dos anos 1960 graças à singular encenação de O rei da vela, de Oswald de Andrade, que carnavalizava o texto e usava seus processos de canibalização de elementos da cultura ocidental como ponto de partida para uma nova forma cênica. O Oficina e o regime militar estiveram em conflito desde o golpe de 1964 e entraram em choque violento em 1968. Em São Paulo, radicais de direita foram ao teatro onde o espetáculo era apresentado, destruíram cenários e espancaram os atores. No início da temporada em Porto Alegre, agentes da repressão invadiram o hotel e sequestraram dois intérpretes. Zé Celso e o Oficina resistiram ainda por alguns anos, mas as atividades do grupo foram praticamente interrompidas entre 1975 e 1984. Com a redemocratização do país, o Oficina volta a criar e a se apresentar com regularidade, insistindo num estilo próprio, orgíaco e radical em suas relações com espaço, público e dramaturgia.

FONTE (foto incluída): UAI - Belo Horizonte,MG,Brazil

FOTO: Zé Celso, diretor da Companhia de Teatro Oficina, em Ouro Preto

segunda-feira, março 30, 2009

Sem apoio pela 1ª vez desde adolescência, Canto deve lutar pelo Pinheiros


30/03/2009 - 07h25
Sem apoio pela 1ª vez desde adolescência, Canto deve lutar pelo Pinheiros
Bruno Doro

No Rio de Janeiro
A escassez de recursos que o esporte olímpico vive no Rio de Janeiro deve fazer de Flávio Canto sua mais nova vítima. Medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos de Atenas-2004, ele está sem patrocínio desde o início do ano. A situação é inédita em sua carreira - desde a adolescência ele conta com apoios para praticar o esporte. A solução deve vir de São Paulo.

Canto, um dos atletas mais identificados com o esporte carioca, já começou a conversar com o Pinheiros, um dos clubes mais poderosos do esporte olímpico do país. A mudança para São Paulo não seria completa, mas ele não mais defenderia um clube do Rio.

"Eu estou sem patrocínio pela primeira vez em muito tempo. Nem me lembro de quando foi a última vez que não tinha nenhuma empresa me apoiando. Acho que nem quando tinha 17 anos e resolvi me dedicar realmente ao judô. É uma situação difícil. Aliás, a situação de todo o esporte olímpico no Rio de Janeiro é muito preocupante", diz o judoca.

"E o mais irônico é que isso acontece em um ano que o esporte está muito em alta na cidade, com a candidatura olímpica. O problema é que, historicamente, os clubes formadores de atletas são os grandes do futebol. E eles não têm mais o hábito de olhar para o esporte olímpico com seriedade", completa.

O caso de Canto é apenas um de muitos exemplos na capital fluminense. Na ginástica, o bicampeão mundial Diego Hypólito sofreu no fim de 2008, quando o Flamengo resolveu acabar com sua equipe de ginástica. Ao lado de sua irmã, Daniele, e Jade Barbosa, ele só tem um patrocínio, conquistado pela Confederação Brasileira.

Na vela, Torben Grael e Marcelo Ferreira, bicampeões olímpicos, desistiram da campanha olímpica para Pequim-2008 também por falta de apoio. Um ano antes dos Jogos, sem patrocínio, Grael aceitou uma proposta para dar a volta ao mundo na Volvo Ocean Race a bordo do barco sueco Ericsson, no lugar de fazer mais uma campanha olímpica pagando do próprio bolso.

"Estamos falando de apostar na campanha para a próxima Olimpíada, mas com essa situação fica difícil. Hoje, não temos patrocínio. E se aparecer um time, por exemplo, da America's Cup querendo o Torben? Como eu posso pedir para o cara recusar um caminhão de dinheiro e continuar fazendo a campanha olímpica, pagando do próprio bolso?", questiona Ferreira, que lidou com situação parecida nas últimas três Olimpíadas.

A situação de Canto é mais difícil porque o Pinheiros teria de aceitar que ele virasse atleta do clube, mas não treinasse com seus novos companheiros. Idealizador do Instituto Reação, ele faz trabalho social em comunidades carentes no Rio de Janeiro e se recusa a deixar a cidade para seguir como atleta."Vamos ter de achar um meio termo. Porque eu não posso, atualmente, sair do Rio de Janeiro. O Reação é uma parte muito importante da minha vida e, se tiver de abrir mão de alguma coisa, vai ser o judô", conta o atleta, de 33 anos.
30/03/2009
29/03/2009
16h29 - UOL Esporte - Judô - Brasil encerra Pan com dois ouros coletivos e três individuais
28/03/2009
18h40 - EFE - Esporte - Brasil conquista três ouros no Pan-Americano de judô
14h44 -
UOL Esporte - Judô - Judocas brasileiros fazem final na disputa por equipes do Pan
27/03/2009
21h06 - UOL Esporte - Judô - Brasil encerra disputas individuais do Pan de judô com três ouros
15h16 -
UOL Esporte - Judô - Em busca do primeiro ouro, judocas vão a mais quatro finais no Pan
07h10 -
UOL Esporte - Judô - Judoca se espelha em versão gordinha de Ronaldo para ir aos Jogos de Londres
26/03/2009
19h32 - UOL Esporte - Judô - Judocas brasileiros perdem finais e ficam com seis pratas no Pan
15h46 -
UOL Esporte - Judô - Seis brasileiros vão às finais no Pan de Judô; Canto revê algoz do Rio

FONTE (foto incluída): UOL Esporte - São Paulo,SP,Brazil

domingo, março 29, 2009

Satisfecho Veitía con su equipo en Panamericano de Judo


Actualizado 7:00 p.m. hora local
Satisfecho Veitía con su equipo en Panamericano de Judo
CARLOS MIGUEL GONZÁLEZ REGO

El profesor cubano Ronaldo Veitía mostró satisfacción por el desempeño de su equipo femenino en el recién finalizado Campeonato Panamericano de Judo, en Buenos Aires, Argentina, donde logró actuación perfecta.
Y no es para menos, pues las cinco medallas de oro conseguidas con cuatro judocas, hablan por si solo de la alta maestría deportiva de sus discípulas, que enfrentaron selecciones con representantes en las nueve divisiones convocadas.
Veitía declaró a la AIN desde la sede, que sus cuatro discípulas fueron invencibles, con el mayor protagonismo en la supercompleta Idalis Ortiz, con preseas doradas en más de 78 y la categoría libre, y todas sus victorias por Ippon.
Recuerda que las otras campeonas fueron Yanet Bermoy (52), Yurisleidis Lupetey (57) y Kaliema Antomachín (78), y que en total ganaron los 16 combates en que participaron, 15 de estos por la vía del Ippon (similar al nocao del boxeo).
También señala que el equipo femenino cubano ha ganado desde 1987 todos los campeonatos y juegos panamericanos.
Con la actuación de las judocas, Cuba dominó las acciones en Buenos Aires, pues a sus cinco títulos se sumaron dos medallas de oro, una de plata y dos de bronce del plantel masculino, para un total de 7-1-2, escoltada por Brasil (3-7-4) y Argentina (3-2-1).
Por equipos, las cubanas (5-0-0) dominaron el certamen, seguidas por Colombia (2-3-0), Argentina (2-0-1), Brasil (0-4-3) y México (0-1-3). La selección masculina (2-1-2) ocupó el segundo lugar detrás de Brasil (3-3-1), sobresaliendo el supercompleto Oscar Braison, con la corona en más de 100 y la plata en la libre.
Los pupilos de Justo Noda superaron a Canadá y Argentina (1-2-3), Estados Unidos (1-0-4) y Venezuela (1-0-0), en un campeonato que contó con la presencia de judocas de 15 naciones.

Sumario












(AIN)

FONTE (foto incluída): Granma - Havana,Cuba

Revelados mais detalhes de álbum de Bob Dylan


Revelados mais detalhes de álbum de Bob Dylan
Luiz Felipe Carneiro Música 06/03/2009 13:12

Em entrevista à Rolling Stone, o compositor norte-americano Bob Dylan anunciou que o seu novo álbum será lançado no final de abril. No total, serão dez faixas inéditas. Os títulos de algumas já foram revelados: "Beyond Here Lies Nothin", "If You Ever Go To Houston", "This Dream Of You", "My Wife's Home Town" e "It's All Good".

Conforme já foi noticiado, Bob Dylan resolveu gravar um álbum com um intervalo relativamente curto com relação ao anterior ("Modern Times", de 2006), porque acabou se animando ao entrar em estúdio para gravar uma canção para o filme "My Own Love", que ainda não foi lançado, e será estrelado por Renee Zellweger e Forest Whitaker.

FONTE (foto incluída): SRZD - Rio de Janeiro,RJ,Brazil

Se um viajante


Literatura
Se um viajante
Um livro sobre o ato da escrita e o prazer de ler romances. Em celebração a Se um Viajante Numa Noite de Inverno, publicado há 30 anos, o Vida & Arte Cultura de hoje discute a literatura de seu autor, o italiano Italo Calvino

Alan Santiago

especial para O POVO
28 Mar 2009 - 15h42min

Você, Leitor, é o herói de Italo Calvino. É o personagem principal, supremo na narrativa de Se um viajante numa noite de inverno. Não vá com pressa. Para entender as tramas da história é preciso calma. Por isso, relaxe, concentre-se, afaste todos os outros pensamentos e deixe que o mundo a seu redor se dissolva no indefinido. Nessa narrativa que completa 30 anos, você está subjugado pelos ditames do acaso: comprou o livro - esse mesmo em que você é o herói - e começou a lê-lo, mas, após as primeiras páginas, percebeu que a trama se interrompe e começa uma outra narrativa. Ao voltar à livraria, descobrirá que um erro da editora na encadernação colocou o início de um romance polonês dentro do livro de Calvino.

Então, o romance que você acreditava ter iniciado não era Se um viajante, mas se tratava na realidade de um outro, chamado Fora do Povoado de Malbork. Agora, seu motivo de desejo é esse novo livro, até o momento completamente desconhecido. Você já foi fisgado pelo enredo e quer saber como termina. Mas, por outro motivo, alheio à sua vontade, o romance de Tatius Bazakbal também será interrompido nas primeiras páginas. Assim vai acontecer com outros oito incipits - inícios que o farão ir em busca do complemento, do fim para as histórias que apenas consegue começar. E sua procura, tão insistente quanto as interrupções na leitura, finda por conduzi-lo ao último capítulo, à última linha.

Calvino causou furor quando pôs no papel este volume de 263 páginas com inícios de dez romances imaginários, que fazem você, Leitor, se confundir com o personagem principal dessa história mirabolante sobre leitores na procura desesperada por livros. Estratégia muito bem sucedida que o autor utilizou para discutir leitura, literatura e escrita. No final do trabalho, havia um meta-romance ou, como ele gostava de dizer, um hiper-romance. “Um livro sobre o ato de ler, o ato de escrever, a escuta, o pensar, a imagem, a escrita, a impessoalidade da escrita, a oralização do texto, a literatura, os territórios e desterritórios da literatura”, diz a pesquisadora Maria Lúcia de Resende Chaves, autora do livro Que história aguarda, lá embaixo, seu fim?... - uma leitura de Se um viajante numa noite de inverno, de Italo Calvino, fruto do mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). “Calvino foi estruturalista? Atravessou esse tempo, sim, mas foi além, por isso seus livros são clássicos que a humanidade apenas começou a ler... e a vivenciar”.

Anos depois da publicação, numa conferência no Instituto Italiano de Cultura de Buenos Aires, Calvino se dispôs a explicar melhor sua proposta: “Trata-se de um romance sobre o prazer de ler romances. Mas, sobretudo, tentei evidenciar o fato de que todo livro nasce na presença de outros livros, em relação e em confronto com outros livros”. E, em nota à edição brasileira de 1982, acrescenta: “Meu livro é um romance que a todo momento se cancela, se interrompe, se pulveriza: indicação das múltiplas direções da narrativa contemporânea”.

Fruto em grande parte de seus estudos junto do grupo Oulipo (Ouvroir de Littérature Potentielle), um conjunto de intelectuais que se reunia nos cafés e restaurantes parisienses para discutir literatura, propondo regras rígidas para a criação literária. O grupo fazia uma amálgama entre a subjetividade da literatura e a rigidez e certeza da matemática. Dessa época, Calvino gerou O Castelo dos Destinos Cruzados (1973), intensamente baseado no jogo, na probabilidade, no destino e no leitor. Nesse livro, “utiliza com grande ênfase duas restrições, a combinatória e o palíndromo, que funcionam como as regras básicas do jogo narrativo que desenvolve ao longo da obra. As cartas do tarô são combinadas de inúmeras maneiras com histórias que podem ser lidas a partir ‘dos quatro pontos cardeais?”, afirma a pesquisadora Maria Elisa Rodrigues Moreira, mestre em Letras e doutoranda em estudos literários pela UFMG.

Essa concepção de jogo não é propriamente atual. Mallarmé é responsável por ir fundo nessa direção desde o século XIX. Ele propôs, já no simbolismo literário, a criação de uma obra em intenso movimento, cujas páginas não tinham ordem fixa e poderiam ser permutadas.

O critico italiano Angelo Guglielmi acusou Calvino dessa mesma megalomania - que escapa como o diário do escritor falsificado Silas Flannery em Se um viajante. Ele escreve: “Por que não reconhecer que minha insatisfação revela uma ilusão desmedida, talvez um delírio megalômano? Ao escritor que deseja anular-se para dar a palavra ao que está fora dele, existem dois caminhos: ou escrever um livro que possa ser o único livro, capaz de esgotar o todo em suas páginas; ou escrever todos os livros e perseguir o todo por meio de imagens parciais”. Rebatendo as críticas, na revista Alfabeta, Calvino se defende: “Eu mesmo falo justamente de ‘totalidade‘, de ‘todos os livros possíveis?. Digamos que em meu livro o possível não é possível absoluto, mas o possível pra mim”.

Pois desse possível nasceram os dez inícios de romances que brotam no curso da narrativa. Cada um com um tom nitidamente diferente. Vai do romance da neblina ao apocalíptico. E, nesse último, quando o mundo está para acabar, Calvino nos mostra que o mundo sempre continua: os títulos dos livros que compõem o romance formam juntos o início de outro romance. “Se um viajante poderia ser pensado, assim, como uma espécie de enciclopédia sobre o literário, como um livro no qual os saberes sobre a literatura são reunidos e colocados em diálogo, num movimento que pretende não a totalidade do conhecimento, mas a produção de saber a partir do diálogo entre as mais diversas informações e reflexões sobre a literatura”, diz Maria Elisa.

Para entender a obra de Calvino num contexto mais amplo, o rumo que se deve tomar é o mesmo. Trata-se de uma produção fincada numa rede complexa onde estão imbricadas ciência, política e literatura como objetos de reflexão e temática ficcional. Ao longo deste caderno, vamos discutir um pouco mais sobre vida e obra - tão fragmentada - de um dos grandes escritores italianos do século XX. Quando fechar o jornal, vá a uma livraria, Leitor, vença algumas estantes até se deparar com uma capa esverdeada. Na primeira linha, a sua aventura está prestes a alçar voo: “Você vai começar a ler o novo romance de Italo Calvino, Se um viajante numa noite de inverno. Relaxe. Concentre-se. Afaste todos os outros pensamentos. Deixe que o mundo a sua volta se dissolva no indefinido”.

FONTE: O POVO Online - CE,Brazil

CERNACHE DO BONJARDIM – Ciência, ética e religião e a teoria de Darwin


CERNACHE DO BONJARDIM – Ciência, ética e religião e a teoria de Darwin
29-Mar-2009

A mesa redonda que ontem teve lugar na Casa da Cultura da Sertã e que debateu o tema “o mundo depois de Darwin - uma reflexão sobre Ciência, Ética e Religião”, deixou claro que a crença na teoria da evolução das espécies é unânime, sendo que todas as vertentes acreditam nela. A discordância surge quando a religião e a ciência trocam ideias e isso ficou claro nesta iniciativa do Instituto Vaz Serra. A mesma esteve inserida no âmbito da Semana Cultural do IVS e que optou pelo tema do bicentenário do nascimento do naturalista Charles Darwin, figura central do pensamento científico moderno.

A ciência, a ética e a religião estiveram assim em destaque na Casa da Cultura da Sertã, tendo-se aí discutido algumas das questões e controvérsias associadas à obra de Charles Darwin, como sendo o impacto da herança de Darwin na Ciência e na Sociedade, o papel e o lugar do Homem na Natureza e as relações entre Ciência, Ética e Religião.

José Paulo Farinha, presidente da Câmara Municipal da Sertã, considerou o tema da origem das espécies, sempre actual, e que deve interessar à comunidade em geral. Charles Darwin foi uma pessoa interessada, “com cultura e uma enorme capacidade de discussão, que começam a ser raras nos dias de hoje”, sublinhou este autarca que lembrou as polémicas darwinianas que se mantém ainda hoje.

Darwin leva-nos a questionar o nosso próprio papel e lugar na natureza e os oradores presentes na Casa da Cultura deixaram aos alunos uma aula que veio enriquecer o seu percurso curricular. Cabe-lhe agora, e como referiu o Director Pedagógico, Carlos Miranda, ir ao encontro de mais informação e destas problemáticas, até porque os currículos escolares são pobres a respeito desta temática, “que é a temática mais fascinante que pode existir”. “A aprendizagem das ciências e da filosofia é uma questão de cidadania pois estamos constantemente a ser confrontados para tomar decisões”, confirmou este professor, adiantando que “se não estivermos informados não seremos capazes de tomar as decisões correctas”, completou Carlos Miranda.

FONTE: Rádio Condestável - Cernache do Bonjardim - Sertã,Portugal

Entrevista - Cumpadre Boldrim: Aquele que mostra os nossos ‘cantadô’


Entrevista - Cumpadre Boldrim: Aquele que mostra os nossos ‘cantadô’
“Esse Brasil não é somente o do Som Brasil ou Senhor Brasil, mas também o Brasil país, da arte escondida pelo monopólio estrangeiro dos meios de divulgação.”

Rosa Minine Nova Democracia 28-3-2009 40 lecturas

Um dos artistas mais autênticos representantes da arte verdadeiramente popular brasileira, Rolando Boldrin, tirou o Brasil da gaveta e está apresentando, pela TV Cultura de São Paulo, o Sr. Brasil, um programa em que aparecem artistas brasileiros, interpretando a mais autêntica música brasileira, de norte a sul do país. O programa revela artistas cujos trabalhos não aparecerem nos programas promovidos pelos monopólios de TV, rádio, e grandes teatros.
Artística e profissionalmente, este ‘cantadô' tem mais de quarenta anos como violeiro, compositor, cantor, ator, apresentador de TV e escritor. Boldrin — que é hoje uma feliz instituição brasileira — tem como seu trabalho favorito o de apresentador de TV, condição que lhe permite fazer aquilo que mais gosta: revelar o Brasil através da arte, mais precisamente, da música, da poesia, da literatura em geral. Atualmente, incorporou no seu trabalho mostras de peças da arte popular brasileira, produzidas por anônimos que esbanjam criatividade.
Nos anos oitenta tornou-se admirado pelo povo com o programa Som Brasil. Mesmo a mais poderosa e sisuda TV ianque — entre as que monopolizam as emissões televisivas em nosso país, a Globo —, por um bom período teve que se render ao talento de Boldrin.
Seu nome, trabalho e o tema de abertura, Vide vida marvada, de sua autoria, permaneceram intactos, inclusive na memória do povo. Praticamente os programas só mudaram de nome, independente das emissoras por o­nde tenha passado. Foi Empório brasileiro, na Bandeirantes em 1984; Empório Brasil, no SBT, 1989; Estação Brasil, TV Gazeta, 1997; e agora Sr. Brasil, que com menos de um ano de exibição, já ganhou o prêmio de Melhor Programa da Televisão Brasileira, conferido pela APCA - Associação Paulista de Críticos de Artes.
Filho de proletários — o pai, operário mecânico e sua mãe, uma dona de casa —, Rolando nasceu em 1936, na cidade de São Joaquim da Barra, SP. Aos dezesseis anos desembarcou na capital paulista para "tentar a vida de artista". Depois de muita "cabeçada pra cá e trombada pra lá" como diz, trabalhando como sapateiro, garçom, frentista de posto de gasolina e um ano prestando serviço militar, chegou o momento de darem uma chance ao "capiau magrela" do interior, no dizer dele próprio, pleno de humor contagiante.
O primeiro emprego foi na Rádio Tupi, em 1958. Conforme conta, ficou "mostrando os dentes" pelos corredores e fazendo de tudo um pouco, até assinar um contrato profissional para atuar como ator de rádio e TV, na hoje extinta Tupi.
Rolando não parou mais de trabalhar nessa área. Foram várias peças de tele-teatro; do teatro — participando inclusive dos Arena e Oficina, dois importantíssimos projetos brasileiros de teatros na década de sessenta —; novelas na televisão e dois filmes reconhecidos em vários festivais no Brasil e no exterior, rendendo para Rolando o prêmio de melhor ator coadjuvante, em ambos os trabalhos.
Assim, Doramundo, 1978, narra a opressão sofrida por ferroviários. Vinte anos depois o mesmo diretor do primeiro filme, João Batista de Andrade, o convidou para fazer o seu segundo trabalho no cinema, O Tronco, título homônimo do romance de Bernardo Élis, uma história passada no interior de Goiás, em 1919, narrando a disputa pelo poder entre grandes coronéis feudais. Boldrim interpretou um desses poderosos coronéis.
— Sempre fui muito envolvido emocionalmente com as coisas da minha terra, o Brasil, com a fala do homem simples, do brasileiro de todas as regiões: Norte, Sul, Leste, Oeste. Fiz esses filmes porque tratavam de assuntos brasileiros, com personagens tipicamente nacionais — declara.
— É claro que já trabalhei em peças de autores estrangeiros no teatro, como Máximo Gorki, e da mesma forma na televisão, quando atuava como ator profissional que é escalado para um espetáculo ou uma novela. Mas sempre me aprofundei mais quando se tratava de um personagem e uma história que falasse de Brasil e do seu povo — acrescenta.
— Fui o primeiro ator a fazer, na televisão, TV Tupi, o Odorico Paraguaçu, de O Bem Amado, de Dias Gomes. Era mês de junho e a prefeitura de São Paulo havia construído uma cidade colonial no Parque do Ibirapuera, para a realização das festas juninas da cidade. Então, o diretor Benjamim Catan resolveu aproveitar o cenário, o­nde tinham: prefeitura, fórum, delegacia, bar, e tudo que ele precisava para filmar, em tele-teatro, como se ali fosse um estúdio de televisão. Assim fizemos a primeira externa da televisão brasileira, ainda em preto e branco — revela Rolando.
Desde então
Rolando conta que desde "menino pequeno", a partir dos sete anos de idade tem se dedicado à música e mantido um grande interesse pela mais autêntica cultura popular e que não saberia explicar o que poderia fazer na vida, além disso.
— Somente, eu entre meus irmãos, nasci com esse "dom" de artista — ele é o sétimo entre doze irmãos. — Cheguei, inclusive, a formar uma dupla caipira com um deles, quando éramos garotos. Só que ele não prosseguiu, não gostava. Mas não premeditei nada. Fui trabalhando e as coisas acontecendo, sempre com um intenso envolvimento com a cultura popular de um modo geral, não só na música — conta.
— Com dez anos, já me interessava em ler Catulo da Paixão Cearense e outros poetas nacionais. Mas nunca me prendi ao regionalismo. Misturava os escritores mineiros, como Guimarães Rosa, com os nordestinos, como Catulo, que era maranhense e o poeta paraibano Zé da Luz. Assim também na música, com os ritmos: cantava um samba de Moreira da Silva, outras vezes Jorge Veiga, também uma música de Orlando Silva, ou de uma dupla caipira — continua.
— Nunca gostei de ser somente um caboclo do interior, dito caipira, que ficou gostando de música caipira somente. Eu canto e falo muito de minha terra, mas quando falo isso, não estou me referindo à região o­nde nasci, mas do Brasil inteiro. O caboclo da minha terra, que eu digo, é o homem brasileiro dos interiores. Gosto das coisas brasileiras de todas as partes. Isso pode parecer inexplicável para muitos, mas para mim é bem simples: costumo dizer que sou um encarregado de divulgar o Brasil para o brasileiro — acrescenta.

Esse seu modo se revela principalmente nos programas de televisão e nas músicas que já fez e gravou. Recentemente lançou, pela Intercd, um apanhado de sua carreira: uma ‘gaveta' contendo oito CDs, o que dá um total de noventa musicas e 18 declamações, intitulada Vamos Tirar o Brasil da Gaveta, o­nde se pode encontrar ritmos diversos, entre as modas de viola, cateretês, toadas e sambas. São composições próprias e de autores conhecidos.
— O meu trabalho é muito diversificado. Gravo um samba de Ary Barroso do mesmo jeito que uma moda de viola, Noel Rosa e também Adoniran Barbosa. Na hora de compor, é assim também: misturo tudo. Isso acontece, acredito, porque tenho um amor e um respeito pelo meu país, pelo meu povo, que ultrapassa os limites da paixão comum. Sou fanático pelo meu povo — confessa Rolando.
— No Som Brasil, por exemplo, eu estava sempre falando ‘minha terra', ‘meu país', e costumava declamar poemas que falavam do amor à terra chão, como um versinho do Catulo, que dizia que depois de Deus, era a terra o ente que ele mais amava. Tratava com tais extremos a terra, sempre boa e agradecida, que aos seus sempre implorava que quando deixasse a vida fosse enterrado de bruços, para estar sempre em soluços, beijando a terra querida — fala Rolando.

Por quase dez anos seu programa esteve fora do ar. Nesse período fez outros trabalhos, shows, mas o programa, o que mais gosta de fazer, ficou na gaveta. Já não queria prosseguir porque, acreditava, tinha feito a sua parte. Até que, de repente, como diz, resolveu tirar o Brasil da gaveta. E esse Brasil não é somente o do Som Brasil ou Sr. Brasil, mas também o Brasil país, da arte escondida pelo monopólio estrangeiro dos meios de divulgação.

O Sr. Brasil
Segundo Rolando, Sr. Brasil é um programa amplo, aberto e receptivo. Mostra os ritmos e temas regionais brasileiros que a maior parte do Brasil não tem oportunidade de conhecer. Seu grande compromisso é que tudo seja genuinamente brasileiro e bom.
— O programa foi elaborado para cantar o Brasil, sem bairrismos. Com ele, eu quis mostrar, do meu ponto de vista, que a música brasileira não é somente o samba do Rio de Janeiro, por exemplo, que eu respeito muito e também gravo. A arte brasileira consegue ser bem maior, muito mais rica. O Brasil produz muito mais que isso — diz Boldrin.
— Nós tivemos o Luis Gonzaga, que era do Nordeste, e que fez tanto sucesso nas grandes capitais, como qualquer samba de Noel Rosa. Nós temos compositores e cantores no Sul, em Goiás, no Nordeste e em toda parte do país. É isso que eu quero mostrar, não ficar preso às grandes capitais e esquecer o que tem fora delas — argumenta.
— Observo, por exemplo, que por mais aceito que seja o escritor, com todo o respeito que eu tenho a eles, que são maravilhosos, o Nelsinho Motta, o Sérgio Cabral e outros, sempre dão o enfoque para o Rio de Janeiro, como se a música brasileira estivesse somente no Rio. Assim acredito que cometem um erro — continua.
— O mesmo acontece na literatura: o enfoque fica em torno de dois ou três escritores, como se a literatura brasileira se resumisse neles, perdendo-se a noção da grandiosidade da nossa literatura, da nossa cultura popular. Falam de Guimarães Rosa, que foi mesmo maravilhoso, ou de Jorge Amado, e se esquecem que tivemos e temos grandes contistas, poetas, muitos outros escritores estupendos, espalhados pelo resto do país — fala Rolando.
— Por esse motivo, veio o título Som Brasil. Minha intenção era deixar claro que o programa mostraria o som do Brasil, na arte de uma forma geral, em toda a sua amplitude de cultura brasileira. Como não pude manter o nome Som Brasil em outra emissora, hoje é Sr. Brasil, mas o programa é o mesmo — esclarece.
O cenário Brasil

Rolando conta que a novidade que surgiu com Sr. Brasil é o cenário montado com objetos de arte feitos pelo povo, artistas anônimos. A idéia de aproveitar até o cenário para mostrar a arte brasileira em toda a sua plenitude, é antiga, e a de agora é um aprofundamento extremamente oportuno, um detalhe esplêndido da cenógrafa e também produtora do programa, Patrícia Maia.
O fato é que o programa conta com o apoio de muita gente do povo que assiste o trabalho de Boldrin. Porque, quem assiste não apenas gosta, mas se torna um sincero defensor dessa sua linha de trabalho.
— O cenário da Patrícia é montado inteiramente com esses objetos, que nós recebemos de toda parte do país. Ele é nosso, levamos para o estúdio, gravamos e depois guardamos em nosso escritório. Todos os objetos são feitos por artistas populares, até os de alguns deficientes físicos, que produzem essas obras com os pés ou com a boca. Com esse cenário o programa ficou ainda mais rico — diz Boldrin com autoridade.
— São objetos lindíssimos. Entre eles, temos um chapéu, que veio lá de Tocantins, feito de capim dourado que é belíssimo e muito usado para fazer bolsas, brincos e uma infinidade de objetos, muitas vezes vendidos na Europa, enquanto por aqui pouca gente sabe sequer que esse capim existe — explica.
— No natal passado colocamos um ‘papai Noel caboclo', que recebemos, para abrir o programa. Ao invés de chegar conduzindo um trenó, o nosso "papai Noel" vem sentado em uma canoazinha. A imagem tradicional do "papai Noel" não tem nada a ver com Brasil — relata animadamente.
— O programa é o Brasil. Então, lá dentro está o Brasil, em suas expressões culturais de vários tipos, na música, na poesia, no teatro, nas esculturas, nos objetos de arte feitos pelo povo, com muita criatividade. Alguns, produzidos com material reciclável, outros com coisas da natureza, como o coco que é usado para fazer um carro de brinquedo e o capim dourado, um capim que brilha maravilhosamente sem nenhum tratamento — acrescenta.
— O Brasil cantado, o Brasil representado, o Brasil das poesias, o Brasil dos objetos de arte, dos artistas anônimos, dos grandes nomes; é isso que eu gosto de mostrar. Vou alinhavando tudo no programa, fazendo uma colcha de retalhos, como costumo dizer — define Boldrin.
Tem mais: Boldrin e Patrícia fizeram do estúdio um palco de teatro, o­nde as portas ficam abertas para atores apresentarem monólogos ou encenar parte do seu espetáculo no palco do Sr. Brasil.
— Se alguém quiser apresentar uma peça, desde que tenha a ver com Brasil, é muito bem vindo. Outro dia levei o grande ator Renato Consorte para fazer um monólogo do Paulo Vansoline. Também o Tuca Andrada foi ao programa e encenou uma parte da peça que ele faz sobre a vida de Orlando Silva. Pedi para ele cantar duas músicas do espetáculo e foi maravilhoso. Se o Oscarito estivesse vivo eu o chamaria, com certeza, para se apresentar no palco do programa — fala Rolando com firmeza.
— E falando em Oscarito, não entendo porque fazem esses bonecos do Gordo e o Magro, personagens estrangeiros, para vender em lojas por aqui, enquanto temos os nossos próprios artistas, que igualmente fizeram muita gente rir. Ao invés desses bonecos , por exemplo, poderíamos encontrar um do Oscarito ou do Mazzaropi — diz Rolando.
O povo, seu território, símbolos nacionais consagrados, tudo está presente nos mais variados aspectos do programa, inclusive nas cores da bandeira nacional, usadas para compor o cenário, aparecendo, entre outros, na cortina que abre para começar o espetáculo e na imensa lua azul, ao fundo, lembrando a bola que fica no centro da bandeira brasileira.
Tem uma fala, muito especial para ele, de sua autoria, feita especialmente para o programa, que declama com um sorriso nos lábios:
— Minha terra é a criança pura, boa, inocente, é também o sofrido adolescente, ou então o jovem combativo e sonhador. Em tempo novo, redivivo, eis que o meu país se prepara em tom definitivo, para ser tratado de senhor: senhor Brasil.

Más información:
FONTE (foto incluída): kaosenlared.net - Barcelona,Cataluña,Spain

sábado, março 28, 2009

SP tem mostra gratuita de charges políticas


SP tem mostra gratuita de charges políticas
Da redação
Exposição Página Dois – A Charge e o Humor Picante de Angeli, Glauco e Jean fica em cartaz até 30 de abril


Alguns trabalhos de três grandes nomes das charges e quadrinhos brasileiros podem ser conferidos pelo público na exposição gratuita Página Dois - A Charge e o Humor Picante de Angeli, Glauco e Jean , que acontece no bar Salve Jorge, até o dia 30 de abril.

Com curadoria de Fernando Costa Netto, a mostra conta com 50 charges publicadas pelos três desenhistas no jornal Folha de S.Paulo, onde ilustram a seção Página Dois, dedicada a comentários políticos e sociais, revezando-se diariamente. "Eles traduzem de forma genial a pornografia política de Brasília, uma crítica inovadora aos velhos episódios do cenário nacional que parecem se repetir sempre", afirmou Fernando em comunicado à imprensa. A mostra entrou em cartaz no último dia 22.

Arnaldo Angeli Filho nasceu em São Paulo, em 1956. É cartunista desde os 14 anos de idade, trabalhou em publicações como a revista Senhor e, desde 1980, é contratado da Folha de S.Paulo. São dele os personagens Rê Bordosa, Bob Cuspe e a dupla Wood&Stock, entre outros.

Nascido em Jandira do Sul, Paraná, Glauco Villas-Boas publicou seus primeiros desenhos no Diário da Manhã, de Ribeirão Preto (SP). É pai dos quadrinhos de Geraldão, Geraldinho, Doy Jorge e Zé do Apocalipse, além de ter feito parte do time de redatores dos programas TV Pirata e TV Colosso.

Atualmente publicando suas ilustrações na Folha e na revista Recreio, Jean Galvão começou sua carreira como desenhista no Sindicato dos Químicos de Jacareí, interior de São Paulo.

Página Dois - A Charge e o Humor Picante de Angeli, Glauco e Jean
Em cartaz até 30 de abril
Bar Salve Jorge - Praça Antônio Prado, 33 - Centro
Grátis
Informações: 11 3107-0123

FONTE (imagem incluída): Rolling Stone Brasil - São Paulo,SP,Brazil


Titi Freak, que inspirou personagem da Turma da Mônica, lança livro

Titi Freak, que inspirou personagem da Turma da Mônica, lança livro
Artista ficou conhecido como grafiteiro e já fez parte de grupo de pichação.
Dia nacional do grafite é comemorado, desde 1988, em 27 de março.

Lígia Nogueira
Do G1, em São Paulo

De São Paulo a Tóquio, passando por Londres e Nova York, a arte do brasileiro Titi Freak está espalhada por muros - e galerias - do globo terrestre. Dos quadrinhos ao grafite, os 13 anos da obra de Hamilton Yokota ganham agora uma compilação em livro. Com 200 páginas e tiragem limitada de mil exemplares, “Freak” foi viabilizado, entre outros, pela galeria paulistana Choque Cultural, que representa o artista. Nascido e criado no bairro da Liberdade, na capital paulista, Titi desenha desde criança. Algumas marcas registradas de seu trabalho, aliás, vêm do tempo em que brincava na rua com os cães, ou ficava olhando para a televisão tentando desenhar o Ultra-man ou o Ultra-seven, aos 10 anos “Os cachorros que eu pinto hoje são dedicados a esses amigos que eu fazia”, diz. Não raro as obras de Titi vêm acompanhadas da palavra “sempre”. “Ela representa não deixar nunca as minhas raízes e as coisas que eu amo”, explica. Se hoje ele é considerado um dos nomes mais instigantes da arte contemporânea, isso se deve, em grande parte, à Turma da Mônica. “Eu desenhava muito, e um dia minha mãe me falou para mandar uns desenhos para o Mauricio de Sousa”, conta. “Ele gostou e me convidou na semana seguinte a fazer uma visita e conhecer o estúdio. Acabei ficando por lá mesmo - entrei com 13 anos e saí com 20. Praticamente cresci desenhando todo tipo de quadrinhos.”

“No estúdio do Mauricio eu desenhava todos os personagens, mas um dos trabalhos mais importantes dessa fase foi a transformação da Tina. Ela deixou se ser uma hippie simples para virar uma garotona, toda formosa, entrando na faculdade... Eu e o Aluir Amâncio (outro desenhista) fomos os culpados por isso. E foi nesse meu primeiro emprego que me apelidaram de Titi, também um dos personagens do Mauricio. Ele já existia, mas quando eu virei o Titi, os roteiristas se baseavam na minha vida real, pediam para eu contar como tinha sido o dia na escola e criavam as historinhas.”


Grafite X Pichação

Nos anos 90, Titi foi integrante da gangue Susto’S, que ganhou destaque na mídia recentemente devido a um ataque com spray feito por 40 pichadores (ou pixadores, como eles preferem) no prédio da Bienal, no Paque do Ibirapuera, em outubro do ano passado. Na ocasião, Caroline Pivetta da Mota, 24, foi presa e acusada de se associar a "milicianos" com fins de "destruir as dependências do prédio" e liberada 53 dias depois.

“Para mim, pichação real é na rua, é underground, é de madrugada ou sem ninguém ver. Pichador não quer mostrar a cara, só o nome. O nome da família. Diferente do trabalho que a gente está fazendo; não tem nada a ver um picho com uma moldura em volta. Mas cada um é livre para fazer o que bem entender.”

Ele diz que hoje sua relação com o Susto'S é mais de amizade do que “de rolês”. “Um dos fundadores me convidou para entrar na família e eu aceitei. Ele conhecia meu trabalho e a ideia era ter outras pessoas juntas – DJs, MCs, skatistas -, mas não me considero pichador. Sempre achei que a pichação e o grafite caminhavam juntos, apesar de serem caminhos totalmente diferentes. Os dois são ilegais, são feitos com spray, latex e rolinho, correm o mesmo risco, ou corriam. Hoje o grafite já está bem diferente, há mais liberdade para pintar na rua.”

Se por um lado os grafiteiros já podem se dar ao luxo de pintar um muro em plena luz do dia, eles também estão sendo vistos com outros olhos, dentro das galerias de arte. “Galerias como a Choque Cultural, outras que estão surgindo e muitas que já existiam lá fora mostram o que há de novo e contemporâneo, urbano; o que esses artistas da nova geração estão fazendo. O público se identifica com isso”, opina.

“O grafite está sempre em processo de mudança, está ficando cada vez mais sério. Não sei se isso é bom. Mas, às vezes, sair para pintar sem compromisso e fazer outras coisas na rua me deixa mais próximo do sentimento real do grafite.”

Leia mais notícias de Pop & Arte

saiba mais
FONTE (fotos incluídas): G1.com.br - Brazil

Em Torno de Will


DESENHO
Em Torno de Will
Cartunista americano ganha exposição para mostrar carreira vitoriosa
EDITORIAL

O SESC Vila Mariana homenageia o desenhista norte-americano Will Eisner, considerado um dos mais importantes artistas de histórias em quadrinhos e uma das maiores influências no desenvolvimento do gênero, com a mostra Em Torno de Will.

A exposição é composta por itens do acervo do especialista em quadrinhos Álvaro de Moya, que era amigo íntimo de Eisner, recebendo o artista em sua casa nas sete vezes em que esteve no Brasil.

São 26 painéis com imagens e legendas do personagem The Spirit, desenhos originais, edições americanas das revistas The Spirit e de outras publicações, além de um vídeo com depoimento de Moya sobre sua relação com Eisner e a carreira do quadrinista.Foto: Divulgação

INFORMAÇÕES
Local: Sesc Vila Mariana (INFORMAÇÕES)
Preço(s): Grátis.
Data(s): Até 26 de abril de 2009.
Horário(s): Terça a sexta, 7h às 21h30; sábado e domingo, 10h às 18h30.
VEJA OUTROS EVENTOS DE: EXPOSICÃO - DESENHO

FONTE (imagem incluída): Guia da Semana - São Paulo,SP,Brazil

Imagens e ausência


CAPA
Imagens e ausência
O mexicano Mario Bellatin e o alemão W. G. Sebald singularizam a leitura valendo-se do que as imagens insistem em não revelar
Como ler as imagens? Ou até que ponto, hoje, é possível lê-las? Esta, talvez, seja uma pergunta fundamental para aqueles que lidam com as diversas manifestações culturais da contemporaneidade – da arte nas galerias às informações que circulam nos meios de comunicação de massa.

São motivos de encantamento as fotografias, os filmes ou mesmo as pinturas que, num exagero de fidelidade, “até parecem fotos”. E uma expressão como esta, baseada no senso comum, reforça o fascínio que o registro técnico das imagens exerce; fascínio crescente, no Brasil, sobretudo a partir das últimas décadas do século 19, com a massificação dos processos fotográficos e, depois, cinematográficos: produtos do “progresso”, da “evolução” de um homem que já dispunha de mecanismos capazes de capturar o real e de subverter a passagem do tempo.

Há, com isso, um trabalho nas sensibilidades, e as artes, logo influenciadas, têm seus problemas, suas formas, seus objetos transformados. Uma maneira de se entender o apelo das pinturas modernistas, por exemplo, é contrapondo-as à mimesis academicista – esta já esgotada também pela precisão “documental” das novas tecnologias; isto é, encarando o modernismo como uma série de desdobramentos não da cópia, mas da deformação do real – em muito potencializada, paradoxalmente, pela massificação tecnológica. E, em outra frente, também a literatura sofre as consequências da reprodutibilidade das imagens, o que pode ser constatado nas crônicas de Pedro Kilkerry, na obra de João do Rio, entre outros, como expõe Flora Süssekind em Cinematógrafo de letras.

Mas, num revés do deslumbramento, ao longo do século 20 não são poucas as constatações de que a disseminação das imagens distancia-se de ser um “meio” de contato para tornar-se o esvaziamento, o próprio “fim”: na sociedade do espetáculo, conceituada por Guy Debord, as imagens ganham a dimensão da própria realidade – uma “ilusão real”, mercadorias no “monopólio da aparência”. A partir delas estruturam-se as relações de poder e as trocas no mundo contemporâneo.

De modo que, há muito, as imagens deixaram de promover, seguramente, a sensibilização do corpo, da memória; ao contrário, elas perderam-se no próprio excesso e, de próteses que proviam a estesia, tornaram-se, hoje, na maior parte das vezes, dispositivos anestésicos, reproduzidos ao infinito. “É claro que os olhos ainda veem. Bombardeados com impressões fragmentárias, veem demasiado – e nada registram”, afirma Susan Buck-Morss em Estética e anestética: o “Ensaio sobre a obra de arte” de Walter Benjamin reconsiderado.

Dessa forma, retomo: como ler as imagens? Detenho-me, então, em dois nomes significativos, autores de experiências interessantes no jogo de leitura de imagens e de textos, ou de leitura de textos como imagens: o mexicano Mario Bellatin (nascido em 1960) e o alemão W. G. Sebald (1944– 2001).

De Bellatin, comento dois livros brevemente. Em Shiki Nagaoka: una nariz de ficción (2001), um escritor que teria sido caracterizado menos por sua obra do que por seu nariz descomunal tem a vida passada a limpo. E, além da biografia, acompanha o texto um apêndice com fotografias pessoais, dos escritos e dos objetos utilizados por Nagaoka. Os indícios são evidentes, mas o elemento de maior relevância, ponto que sustenta toda a narrativa, é exatamente o que não tem forma definida: o nariz. Não se pode vê-lo. Assim, mais se afirma o que mais falta; a realidade arma-se como fabulação. E os registros fotográficos e as legendas – esse apêndice astucioso – não fazem mais que aprofundar um abismo e afastar as bordas.

Jacobo el mutante (2002), por sua vez, é a reescritura alucinada de uma hipotética novela do austríaco Joseph Roth (1894–1939), La Frontera, da qual somente alguns fragmentos seriam conhecidos, segundo Bellatin. Novamente, aqui, imagens são incluídas, desta vez cindindo as frases, as palavras. Fotografias de leitura questionável, de formas ambíguas, movediças – de campos ou desertos que se fundem, num ponto indecidível, a superfícies tranquilas de lagos ou rios, por exemplo. Como se, a cada registro, Bellatin perguntasse: “Onde, a fronteira?”; “De qual fronteira falamos?”. E assim como não há razão que justifique a mutação do rabino Jacobo Pliniak (que se transforma em outro personagem, em outro tempo e outra situação), não há certezas em resposta ao autor. Tudo está em movimento e, com a dúvida, é preciso recomeçar a leitura, em busca de um sentido igualmente mutante.

Muito se lê a respeito da hibridez de gênero da prosa de W. G. Sebald, autor de Vertigem (1990), Os Emigrantes (1992), Os Anéis de Saturno (1995), Austerlitz (2001) e outros. Talvez seja lícito dizer que suas narrativas operam na tensão forjada entre fatos e artefatos. São relatos que se opõem à história baseada em documentos, em provas, contrapondo a ela as memórias dos personagens e narradores. O que é quase uma contradição, pois, para isso, Sebald se vale, exatamente, de fotografias, desenhos, reproduções de tíquetes, recibos, carimbos, mapas. Mas, nessa espécie de arquivo de trajetos erráticos, as imagens aparecem como as histórias contadas: opacas e não suficientes, isto é, plurais e instáveis. Pois o discurso verbal não cessa de deixar lacunas, e as imagens não são confiáveis para o preenchimento das frestas, para a conservação dos fatos. As imagens apontam para o que faltou ser dito, para o que não aparece: o que só se desvela no trabalho da imaginação.

Em tempos de imagens excessivas, reproduzidas tecnicamente por câmeras, celulares, outdoors, telas várias, é preciso questionar as imperfeições, as ausências que elas revelam. Porque tais ausências não habitam apenas as imagens... Arma-se a suspeita, e nessa hora as formas consensuais perdem consistência, desencontram-se de sua obviedade.

Potencializando a ficção, Mario Bellatin e W. G. Sebald dão espaço para que cada leitura evoque uma verdade singular – ou o diferimento da verdade. Uma maneira de estimular um contato íntimo e mais duradouro com o mundo ao redor – para escapar à repetição de um mesmo velho espetáculo.

* Graduado em Comunicação Social (Unaerp – SP) e em Letras (UFSC), mestrando em Teoria Literária (UFSC)

POR ARTUR DE VARGAS GIORGI

*Multimídia


FONTE: Diário Catarinense - Florianópolis,SC,Brazil


Tres títulos para Cuba en Panamericano de Judo


Tres títulos para Cuba en Panamericano de Judo

27 de Marzo de 2009, 4:39 p.m.
La Habana.- Cuba conquistó tres títulos en jornada inicial del Campeonato Panamericano de Judo, con sede en la ciudad de Buenos Aires, Argentina.
La pinareña Idalis Ortiz, medallista de bronce en los Juegos Olímpicos de Beijing en más de 78 kilogramos dejó en el camino por Ippon a la brasileña Clauderine Cezar.
Por su parte el agramontino Oscar Braison en (+100) derrotó por Yuko al también sudamericano Joao Gabriel Schlittler, en tanto el cienfueguero Oreidis Despaigne (100) se coronó al disponer del argentino Cristian Schmitd.
Hoy continuarán las acciones del torneo con la presencia de los cubanos Yanet Bermoy, Yurisleidis Lupetey, Yordanis Arencibia y Yasmani Piker.

FONTE: Radio Rebelde - Cuba
FOTO: Idalis Ortiz - Beijing

Judoca se espelha em versão gordinha de Ronaldo para ir à Londres-12


Judoca se espelha em versão gordinha de Ronaldo para ir à Londres-12
27/03, 11:14
Recuperado e em grande fase com a camisa do Corinthians mesmo ainda precisando perder peso, Ronaldo virou inspiração para uma das principais pesados do judô brasileiro que também tenta retomar a carreira após cirurgia no joelho e luta contra a balança. Foi vendo o Fenômeno retornar aos gramados pela equipe de Parque São Jorge que Priscila Marques, medalha de bronze no Pan do Rio, percebeu que poderia retomar sua melhor forma. "Ele é minha inspiração", diz a santista Priscila em referência ao camisa 9.
Depois de ficar parada durante um longo período no ano passado, Priscila iniciou sua recuperação para encarar um novo ciclo olímpico. Como Ronaldo, adotou uma dieta especial para perder peso e ganhar força. Assim, baixou de 122 para 105 quilos. Sua meta é chegar ao mesmo peso de Ronaldo. No entanto, ela quer a mesma medida da versão gordinha do Fenômeno, que se apresentou ao Corinthians com 98kg, segundo o consultor médico do clube. O limite é bastante superior aos 78kg, piso da categoria da atleta.
"Meu plano é alcançar essa pesagem, mas substituindo gordura por massa magra. Sempre fui gordinha, isso não vai mudar. Mas não é algo que possa me prejudicar do ponto de vista físico, com relação a lesões", afirma a judoca.
"Olha o exemplo do Ronaldo. Ele teve problemas nos dois joelhos, também teve que lutar para perder peso e, contra todos os prognósticos, está aí marcando gols e se levantando. Mostrando que é grande. Isso me motiva a lutar. Vejo que também posso conseguir", completa.
A história recente de Priscila guarda semelhanças com a de Ronaldo. Poucos meses antes dos Jogos do Rio-07, a judoca teve de realizar uma cirurgia no menisco do joelho esquerdo. Para poder ir ao Pan, acelerou sua recuperação. Acabou sofrendo com problemas na cartilagem do local operado.
"Depois do Pan vieram outras competições importantes e eu fui lutando no sacrifício, com dores. Eu não conseguia dar alguns golpes, mas mantive o ritmo. Até que acabei ficando sem vaga para as Olimpíadas de Pequim e decidi parar para fazer uma boa recuperação. Quero poder estar pronta para lutar por um lugar nas Olimpíadas de 2016 agora", afirma a judoca. Nos Jogos da China, o Brasil acabou sem representante na categoria pesado.
Priscila ainda chegou a ser chamada pela Confederação Brasileira de Judô para disputar o Pan da modalidade que está acontecendo na Argentina, mas preferiu se resguardar.
"Este ano vai ser meu ano de recuperação. Vou me concentrar nos treinos para já estar pronta para lutar pela vaga olímpica. Até porque, as competições desse ano não vão mais contar para o ranking olímpico", diz a atleta. Ela, entretanto, deve disputar os torneios que acontecem no país. "Pretendo lutar o Grand Slam do Rio, em julho, e a Copa do Mundo de Belo Horizonte", finaliza.
Fonte: uol
apud: O Pantaneiro - Aquidauana,MS,Brazil

Instituto cubano de cinema festeja hoje seus 50 anos


Artigo
Instituto cubano de cinema festeja hoje seus 50 anos
Pagina principal / Sociedade / Cultura

Na cerimônia, que terá por sede o teatro Karl Marx, com capacidade para cinco mil espectadores, se estreará o longa-metragem de ficção Cidade em vermelho, ópera prima da realizadora Rebeca Chávez.

O filme está inspirado em uma releitura da novela Bertillón 166, de José Costumar Puig. Segundo sua diretora, "narra como a violência inquebrantável em escalada na vida tranqüila de pessoas e grupos sociais diferentes de uma cidade: Santiago de Cuba".
Também serão homenageado atores, diretores, cinegrafistas, e editores que têm acompanhado ao Instituto Cubano de Arte e Indústrias Cinematográficas (ICAIC), desde sua criação, o 24 de março de 1959.
As celebrações começaram em janeiro último e neste mês organizou-se um ciclo de conferências, projeções e rendeu-se tributo a várias personalidades como o falecido documentarista Santiago Álvarez.
O cinema cubano será tratado durante todo 2009 em mostras e festivais internacionais dos Estados Unidos, Turquia, Rússia, França, Egito, e Itália, para citar alguns.
Texto: Prensa
http://www.patrialatina.com.br/
FONTE: Pravda.Ru - Moscow,Russia

BRASIL CONQUISTA TRÊS OUROS E ENCERRA O PAN COM 14 MEDALHAS INDIVIDUAIS


BRASIL CONQUISTA TRÊS OUROS E ENCERRA O PAN COM 14 MEDALHAS INDIVIDUAIS

O Brasil encerrou na noite desta sexta-feira (27) as disputas individuais no Campeonato Pan-Americano de Judô com 14 medalhas, sendo três de ouro, sete de prata e quatro de bronze.

As medalhas douradas foram conquistadas por João Derly (-66kg), Leandro Guilheiro (-73kg) e Luciano Correa (Absoluto). Com o resultado, a equipe masculina manteve uma hegemonia de oito anos como a primeira colocada no quadro de medalhas. Neste sábado (28), acontece a disputa por equipes e dupla de kata.

Após sete meses longe das competições e três cirurgias realizadas pós os Jogos Olímpicos de Pequim 2008, o medalhista olímpico Leandro Guilheiro retornou conquistando o lugar mais alto no pódio num evento continental. Na decisão pelo ouro, Guilheiro venceu por yuko o canadense Nicholas Tritton. Para chegar à final, Leandro Guilheiro fez três lutas: yuko sobre o uruguaio Leandro Vaz; ippon no americano Machael Eldred e outro ippon sobre o chileno Fernando Salazar na semifinal.

“Foi uma boa competição. Senti um pouco de falta de ritmo, mas é natural após ficar tanto tempo parado. Preciso melhorar a velocidade dos meus golpes, mas percebi que já estou com a pegada mais estabilizada. Este é meu primeiro título de campeão pan-americano e realmente tem um gosto todo especial. Pude contar com a companhia da minha família aqui na Argentina e foi muito bacana, pois não seria nem um 1% do que sou hoje sem ele”, disse Leandro Guilheiro, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e Pequim 2008.

O bicampeão mundial João Derly também vibrou com a conquista. Numa final bastante equilibrada contra o argentino Miguel Albarracin, Derly chegou a estar atrás no placar, mas virou a luta e garantiu o ouro com um ippon. Derly chegou à final após passar pelo equatoriano Israel Verdugo por yuko no golden score na primeira rodada. Na fase sequinte, o bicampeão mundial nem precisou suar o quimono, pois o porto-riquenho David Lebron não compareceu ao combate. Na semifinal, João Derly conseguiu um wazari sobre o canadense Michal Popiel. Para o judoca, o momento é de recomeço.

“O resultado é importante, mas a gente busca sempre o golpe perfeito, que resulte num ippon e isso não estava acontecendo nas outras lutas. Agora é a hora de recomeçar um novo ciclo, focar nos eventos seletivos para o Mundial da Holanda, pois quero muito o tricampeonato. Acredito que o resultado foi positivo, já que esta é a minha primeira competição internacional deste o fim dos Jogos Olímpicos de Pequim”, afirma Derly.

O terceiro ouro brasileiro veio de forma emocionante. Lutando na categoria absoluto, Luciano Correa levou o ginásio ao delírio com um ippon sobre o cubano Oscar Braison, pelo menos 30kg mais pesado que o brasileiro.

“Foi muito bacana o apoio da equipe na minha luta. Todo mundo começou a gritar e torcer e isso foi me motivando para buscar a vitória sobre o cubano. Todos estamos de parabéns, pois mostramos o quanto a delegação brasileira é unida”, comentou.

Também nesta sexta-feira Danielle Zangrando (-57kg) ficou com a prata ao ser superada na final pela cubana campeã mundial e medalhista olímpica Yurisleidy Lupetey por ippon. Danielle retornou aos tatames após um ano parada. Já os bronzes foram conquistados por Sarah Menezes (-48kg), que bateu na disputa a americana Natalie Lafon por yuko, e Claudirene César (Absoluto feminino), vencedora no confronto com a também americana Melinda Swanson por wazari.

RESULTADOS DOS BRASILEIROS NO PAN:

OURO:

João Derly (-66kg)
Leandro Guilheiro (-73kg)
Luciano Correa (Absoluto)

PRATA:

Danielle Zangrando (-57kg)
Flávio Canto (-81kg)
Danielli Yuri (-63kg)
Eduardo Santos (-90kg)
Maria Portela (-70kg)
João Gabriel Schlittler (+100kg)
Claudirene César (+78kg)

BRONZE:

Sarah Menezes (-48kg)
Luciano Correa (-100kg)
Deborah Souza (-78kg)
Claudirene César (Absoluto)

QUINTO LUGAR:
Felipe Kitadai (-60kg)
Erika Miranda (-52kg)

FONTE: CBJ

sexta-feira, março 27, 2009

Diários nordestinos de Glauber


Sexta, 27 de março de 2009, 07h57
Diários nordestinos de Glauber

João Carlos Teixeira Gomes
Janeiro, 22, 1958, 7:00 - Tragédia pressentida

Eu e Glauber esperávamos o ônibus na pracinha defronte ao Mosteiro de São Bento, na quente manhã do verão baiano. A idéia da viagem ao Nordeste tinha partido do meu obstinado amigo, louco para conhecer diretamente a cáustica realidade do Nordeste e colocá-la como substância dos seus filmes: seca, miséria, fome, êxodo, cangaço, misticismo. O banditismo de Lampião estava sepultado no tempo e imobilizado nas cabeças cortadas do Nina Rodrigues, expostas como os macabros troféus da civilização (mas na imaginação glauberiana o Nordeste era uma caixa de Pandora de onde tudo poderia sair, inclusive os fantasmas do passado).
Janeiro, 22, 1958, 9:00 - Começa a viagem

Impacientes, reclamávamos do atraso. Glauber temia que a viagem tão esperada fosse adiada. Sua ânsia do conhecimento da miséria da seca, já entrevista na leitura apaixonada dos romances de Graciliano e Zé Lins, liberava sua torrencial loquacidade, esparramando-se em frenéticos protestos. Afinal, apareceu o tão almejado ônibus, que, aliás, não era ônibus, mas lotação, um precário lotação dos anos 50, veículo obviamente inadequado e incômodo para a Odisséia que nos esperava nas insuportáveis estradas nordestinas, estirões infindáveis de barro e poeira, sob o sol dardejante do agreste. Desconforto, sede, resignação.
Janeiro, 22, 1958, 10:00 - O motorista caolho
O lotação parte. Volto-me para Glauber e comento: "Você já reparou? Nosso motorista é cego de um olho, juro!". Ele ri e responde: "Melhor, combateremos à sombra!". Imaginava mais peripécias, mais aventuras, mais emoções, tudo tipicamente glauberiano. Mas eu não tirava o olho do motorista cego. Para mim, motorista de um olho só naquelas estradas torradas pelas fornalhas do diabo só podia ser motorista cego. Atrás de nós, no lotação superlotado, aboletavam-se dois cometas gaúchos, que iam vender seus bregueços nas praças do Nordeste. Riam e falavam o tempo todo com seu sotaque dos pampas, maravilhando Glauber, que puxou e encontrou conversa, deliciando-se com as colocações pronominais dos cometas e o uso corriqueiro que faziam do pronome "vós". Tudo parecia bem, até que, de repente...
Janeiro, 22, 11:30 - De cabeça para baixo

....De repente, o motorista cego percebeu que não poderia atravessar a mesma ponte na qual irrompia um caminhão em sentido contrário e embicou para cima de um rio. Pânico. Gritos. Devastação total. O mundo de cabeça para baixo. O mundo às avessas. Um dos cometas, impulsionado de trás, deu-me uma formidável porrada na cabeça, quase desmaio. Estilhaços de vidro por todos os lados, janelas e portas partidas, todas as cadeiras arrancadas, pernas quebradas, braços lascados pelos estiletes. Uma mulher, metade do corpo para fora, numa das janelas arrombadas, gritava: "Meu cheque caiu no rio!". Glauber não sofreu um arranhão. Do lado de fora, incólume, articulando as mãos em forma de câmaras cinematográficas, berrava, em êxtase: "Tomadas dramáticas! Grandes cenas! Grandes cenas!" E eu, combalido, com a perna direita sangrando, afundei num hospital. Os cometas fizeram o que fazem os cometas: sumiram.
Janeiro, 23, 24,25 - 1958 - O recomeço, desde as 9:00

"Vamos voltar para Salvador!", protestei, estremunhado e remendado, e acrescentei: "Esta viagem é uma loucura, pelas estradas da morte! ". Glauber, sereníssimo, ileso, apenas retrucou: "Nunca! Vamos até o fim, estamos descobrindo o Brasil, o mundo só acaba em Caruaru!". Resignei-me. Nada poderia deter o aluvião glauberiano, pura lava e ímpeto. Ali estavam nascendo pelo menos "Deus e o Diabo" e "O Dragão da Maldade", ninguém conseguiria contar a sua fome do Nordeste, o desejo de sentir a crueza da terra com as pulsões da sua visão dramática da vida, o impulso da resistência herdado das leituras da Bíblia, onde aprendeu os mistérios das sagas incontroláveis dos povos deserdados, em busca de Canaã. O presbiteriano que cantava piedosos hinos nas noites baianas se transmudava no peregrino incendiado pela sede de conhecimento, tocado pela bravura do registro heróico do percurso de uma gente faminta e esquecida, que se agarrava ao misticismo para escapar das misérias do mundo dos coronéis e do latifúndio. "Vamos adiante, grande Glauber!" - bradei, controlando a dor da perna lacerada, pois também queria imergir na combustão daquela aventura irrepetível. E rumamos para Sergipe, onde recalibramos as forças durante três dias, pois nossa meta ainda estava distante e o sonho continuava límpido e aceso, como devem ser todos os sonhos adolescentes.
Esqueci-me de dizer que estávamos nas faixas dos 18 anos, viris e impacientes, com todo o apelo do vasto mundo à nossa frente, além das barreiras dos medos, dos acidentes incontroláveis, dos velhos dragões da prudência, que desconhecíamos, ou dos motoristas cegos. "Avante, Glauber!". E lá íamos, como dois jovens e impenitentes desbravadores, príncipes do imprevisto, paladinos das seduções do mistério, cônscios de que tínhamos uma missão a cumprir, que era alta, era bela e, sobretudo, irreprimível. Conhecer o Nordeste para colocá-lo nas telas do mundo.
Janeiro, 26,27,28,29,30 - l958 - Penedo e o êxtase

Finalmente, a emoção do São Francisco, longas águas invioláveis e barrentas, infestadas de piranhas. A frágil barcaça nos conduzia para as terras de Alagoas. A bela cidade de Penedo resplandecia, encarapitada no alto de uma elevação que a transformava numa construção imponente e misteriosa. Ladeiras estreitas, velhas igrejas, um clima barroco patente em prédios escurecidos, pátina mágica, pelo tempo. Encantamento das coisas perdidas, das súbitas revelações, das transcendências poéticas que emergem das coisas simples e inesperadas. Um alto momento do áspero percurso, compensando a aflição dos intermináveis estirões bravios e poeirentos, marcados por ostensivo abandono e em cujo percurso a vida se esgarça nas sensações mais precárias, soma de nadas, diluição do imprevisível, valhacouto do espanto. Glauber irrompeu pela cidade como um tufão, fez amizades, ensaiou poemas, projetou tomadas. À noite, exaustos, encharcamo-nos, sôfregos, da bendita cachaça alagoana, e sentamos à beira do tenebroso rio para conversar, discutir sobre o sentido da vida, do amor e da amizade, o mistério das mulheres, os rumos do Brasil e do mundo, as projeções da cultura, os planos do cinema, da literatura e do jornalismo. Recitamos os amados poetas. Glauber modulava os versos de "Infância", de Paulo Mendes Campos, sempre repetidos: "À noite, arquiteturas corrompidas...".. Os russos brilhavam no espaço sideral com seus surpreendentes engenhos, inventando estrelas. A arrogância tecnológica americana fora ultrapassada. Glauber, sempre loquaz, entusiasmava-se com as realizações do comunismo pós-stalinisita, enaltecia os sputiniks, antevia o fim do chicote e da exploração do homem pelo homem, sonhava alto. Éramos radicalmente democratas, até à subversão. A Rússia, a grande vitoriosa da guerra contra o Eixo fascista com seu imbatível Exército, era uma magnífica potência industrial, lembrava ele, elogiando o caminho dos astronautas pelas rotas das estrelas. E metíamos as mãos pelas águas do insondável e trevoso São Francisco, até que um tropeiro de voz aguda advertiu: "Piranhas!" "Piranhas!"
Janeiro e fevereiro de l958 - A magia recifense

Penedo. O surpreendente oásis no implacável deserto nordestino. A terra alagoana nos brindou com maravilhosas surpresas: no trem para Maceió, a inesperada convivência com o imenso Ascenso Ferreira, o poetão que encantou os dois adolescentes com um recital exclusivo das suas poesias. O casual encontro se aprofundou em Recife, que era, afinal, o grande porto da viagem, completado logo após em Caruaru, para onde Glauber foi exclusivamente a fim de conhecer e entrevistar mestre Vitalino, cujas mãos de mago davam vida às rudes formas do barro.
Recife e suas pontes, a metrópole nordestina, o odor forte dos seus mangues, a efervescência da sua vida cultural, o contato com grandes escritores, poetas, artistas plásticos. As belas putas nordestinas, morenas de bundas barrocas, saindo, contritas, das missas matutinas, véus na cabeça. As entrevistas glauberianas, ampliando o acervo das informações obtidas através das pesquisas de campo. Um incomensurável repositório de experiências vividas, como nenhum diretor de cinema realizou antes no Brasil, imprescindível não apenas para os filmes do cineasta, mas também para o ensaísta que se aprofundou sempre na nossa realidade, para interpretá-la com a magia da imagem inquieta e o poder de fogo das palavras.
Foi assim a primeira viagem de Glauber Rocha ao Nordeste. Tive a alegria de testemunhá-la como cúmplice. É óbvio que tudo isto evoco sem distanciamento, movido pela emoção da partilha. Acompanhando hoje, no Rio de Janeiro, a série de óperas em que uma cadeia de cinemas está retransmitindo, em alta definição, as mais belas e modernas realizações da Metropolitan Opera House, diretamente de Nova Iorque, pude ver, encantado e perplexo, como algumas das audaciosas soluções cênicas e dramáticas das obras já se encontravam nas concepções de Glauber, não só patentes em seus filmes (que são óperas loucas), como até mesmo nos espetáculos pioneiros (recitais no palco da poesia lírica) das "Jogralescas", no colégio Central.
Quis terminar meu artigo com esse depoimento, pois nunca é demais lembrar que o gênio de Glauber, um grande realizador cuja obra anda hoje meio esquecida nas telas, deverá ser sempre evocado como um notável momento da cultura baiana e, no seu plano mais vasto, brasileira.
Hosanas! Não foram muitos os que, como ele, nos deixaram tão imponente legado, que temos o dever nacional de preservar. Glauber foi - e continua sendo - um dos mais poderosos caminhos para o conhecimento do Brasil, terra difícil e ardilosa, como as terras de magia, sem as quais o mundo é um território de exílio - na verdade insípido e crepuscular.
João Carlos Teixeira Gomes é escritor, jornalista e membro da Academia de Letras da Bahia. É autor de "Gregório de Mattos, o Boca de Brasa", "Glauber Rocha, esse vulcão", "Memórias das Trevas" e "Assassinos da Liberdade".

FONTE (foto incluída): Terra Magazine - São Paulo,SP,Brazil

FOTO: O escritor João Carlos Teixeira Gomes relata uma viagem com o cineasta Glauber Rocha aos sertões do Nordeste, em 1958: uma aventura irrepetível