terça-feira, abril 14, 2009

Governador veste quimono em lançamento do Grand Slam de Judô



14/04/2009 - 15h57
Governador veste quimono em lançamento do Grand Slam de Judô
Do UOL Esporte
Em São Paulo
Um evento no Palácio das Laranjeiras formalizou, nesta terça-feira, a realização de uma das quatro etapas do Grand Slam de Judô nos dias 4 e 5 de julho, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. Diversos judocas brasileiros estiveram presentes na solenidade, que inclusive contou com a presença do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, vestindo um quimono.

Além de chamar a atenção com o uniforme característico da modalidade, o governador anunciou um contrato no valor de R$ 2,5 milhões para sediar uma das etapas do Grand Slam de Judô. Recém criado pela Federação Internacional de Judô, a competição segue os moldes de sua já consagrada versão no tênis com quatro sedes distintas que receberão competições ao longo do ano.

Além do Rio de Janeiro, onde será realizada a 3ª etapa, Paris já recebeu a etapa inaugural da competição no início de 2009. No final de maio, Moscou dará continuidade ao Circuito de Grand Slam, que será concluído no final do ano, em Tóquio.

Durante o anúncio da realização da terceira etapa no Rio de Janeiro, o governador Sérgio Cabral, que no discurso se descreveu como um judoca frustrado, anunciou também um investimento de R$ 500 mil por ano para a manutenção dos principais judocas do estado e suas respectivas comissões técnicas.

O presidente em exercício da Confederação Brasileira de Judô (CBJ) João Rocha destacou a importância deste evento no panorama do judô mundial. "Dos 187 países filiados à FIJ, apenas quatro têm a honra de receber um Grand Slam, e o Brasil é um deles. Isso se deve aos sucessos de gestão técnica, política, administrativa e financeira que vimos apresentando ao mundo. Com o Grand Slam no Rio de Janeiro vamos provar que vale à pena sair do eixo Ásia-Europa", declarou o representante da CBJ, que em seguida lembrou a realização do Mundial de Judô, em 2007.

Ao lado do presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, o judoca Flávio Canto falou em nome dos atletas da modalidade, e citou o projeto olímpico do Brasil. "Fazer parte do seleto grupo de sedes do Grand Slam prova que o mundo percebeu que podemos receber competições importantes, como uma Olimpíada. O Grand Slam servirá para o carioca conhecer melhor o judô e se preparar para 2016", afirmou o atleta que em Atenas-2004 conquistou a medalha de bronze.
FONTE (foto incluída): UOL Esporte - São Paulo,SP,Brazil

Um comentário:

  1. Ufa ainda bem... Imagina, sem Gabriel? Como seria???

    ResponderExcluir