segunda-feira, maio 05, 2008

Necessidades contemporâneas

Necessidades contemporâneas
4/5/2008 às 03h08
Não é à toa que a depressão é o mal do século. São muitas exigências para uma pessoa só. Seguir padrões de beleza, ser magra, andar na moda, ter cabelo bonito e bem tratado, mãos e pés impecáveis; falar e escrever português corretamente, ter fluência em inglês, procurar aprender uma outra língua como diferencial para seu currículo e sua carreira, ter uma profissão que lhe dê prazer e ao mesmo tempo dinheiro, conseguir seguir um plano de carreira dentro da empresa;
Estar sempre atualizada com as novas tendências tecnológicas, megabytes, gigabytes, MP3, MP4, iPod, celulares que já adivinham para quem você quer ligar, fones de ouvido mega potentes, TVs de ultra-mega-super-alta definição; estar antenada com as notícias não só do Brasil, mas também do resto do mundo, inclusive das micro ilhas da Indonésia, entender o tipo de economia vigente lá e o sistema político adotado;
Ter um relacionamento feliz e duradouro com um homem que atenda todos os pré-requisitos para lhe fazer feliz ― ou seja, um homem com pouquíssimos defeitos ―, estar casada com ele antes dos 30 anos, ter filhos ou um filho até os 35 e ainda continuar bonita e sensual, pois você corre o risco de ser trocada por outra mulher que é tudo isso e muito mais;
É imprescindível que o seu apartamento atenda o design da última moda e te defina como pessoa, e que ele esteja sempre limpo e impecável para receber suas amigas, casadas ou não, mas todas pós-graduadas como você, que já passou por trabalhos de conclusão de curso, bancadas com professores mal-humorados cheios de perguntas irrelevantes, às vezes considerados profissionais frustados;
Mas, nada disso importa, pois você conseguirá assistir a todos os ultra-mega-advanced espetáculos do Teatro Abril, aos shows do U2 e do Roger Waters, que talvez nunca mais venham ao Brasil, assim como os filmes da Mostra Internacional de Cinema que só passam uma vez e nunca entrarão no circuito dos grandes cinemas, e você, ainda bem, conseguiu ver aquele do diretor consagrado do Irã que todos acharam fantástico;
E... claro! Não podíamos esquecer que você também tem que, antes dos 50 anos, ter conhecido a Europa, alguns países essenciais da América Latina, como Chile e Argentina, e a última tendência da área do turismo, Dubai; e nada melhor do que levar na bagagem, tanto de mão quanto intelectual o entendimento de assuntos, principalmente os literários. Para isso, é preciso que você tenha lido, pelo menos, um livro do Saramago, um do Luis Fernando Verissimo, uns dois do Dostoievski ― afinal de contas é preciso saber comparar uma obra da outra ―, um do português Eça de Queirós, uns quatro do baiano Jorge Amado, pelo menos um do colombiano Gabriel García Márquez e um do espanhol Miguel de Cervantes.
É necessário também ter lido e saber citar poesias de Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Fernando Pessoa, saber sobre cinema e os filmes de autor e assim ter visto, pelo menos, um filme do Fellini, do Kubrick, do Lars von Trier, do Spielberg, do Kurosawa e do louquíssimo Buñel, ter ido a todas as super-ultra-mega exposições da Oca, no Parque do Ibirapuera e, para finalizar, não esquecer de se atualizar sempre sobre os últimos campeões do campeonato Paulista, Brasileiro e Libertadores.
E tudo isso procurando sempre manter a sua autenticidade e personalidade intactas, seguindo os preceitos do bem e não fazendo mal a ninguém, porque aqui se faz, aqui se paga.
Nota do Editor
Taís Kerche escreve no blog Tagarelices.
apud: Digestivo cultural - São Paulo,SP,Brazil

Um comentário:

  1. Obrigada por publicar meu texto em seu blog! Abraços, Taís

    ResponderExcluir